Dados sobre utilizadores deste modelo
Brasil
Marrocos
Portugal



Aeronaves do mesmo tipo ou relacionadas:

C-130H-30
Aeronave de transporte médio
C-130H
Aeronave de transporte médio
C-130J «Super Hercules»
Aeronave de transporte médio

Notícias relacionadas
Força Aérea evacua portugueses na Síria
Airbus francês desaparece no Atlântico


C-130H
Aeronave de transporte médio (Lockeed Martin)
C-130H

Dimensões:Motores/ Potência
Comprimento: 29.79 M
Envergadura: 40.41 M
Altura: 11.65
4 x motores Rolls Royce/Allison T-56A
Potência total: 19960 HP/CV
Peso / Cap. carga Velocidade / Autonomia
Peso vazio: 36000 Kg
Peso máximo/descolagem: 70000 Kg
Numero de suportes p/ armas: 0
Capacidade de carga/armamento: 18000 Kg
Tripulação : 2+4
Passageiros: 60 a 92
Velocidade Maxima: 589 Km/h
Máxima(nível do mar): Não disponível
De cruzeiro: 547 Km/h
Autonomia standard /carregado : 3800 Km
Autonomia máxima / leve 6480 Km.
Altitude máxima: Não disponível


- - -

Radares
- Northrop-Grumman/Westinghouse AN/APN-241 - Multi-modo/Pulso Dopler (Alcance médio: 22Km)

Forum de discussão

O C-130H, é uma versão melhorada do C-130E, com novos motores e asas redesenhadas, além de electrónica renovada.

Foram fabricados um total de 1089 C-130H e o último saiu de fábrica em 1998.

Trata-se de um dos modelos C-130 mais utilizados e para muitos deles existem planos de modernização e reforço de meia-vida, tendentes a permitir a sua utilização por mais tempo.

Informação genérica:
O Hercules C-130 é o resultado da análise que os norte-americanos fizeram da utilização dos seus transportes do tipo C-119 e C-47 (designação militar do DC-3), os quais não eram considerados suficientes para as necessidades de transporte aéreo da guerra moderna, especialmente durante e após o conflito na Coreia.

A força aérea dos E.U.A. emitiu uma especificação para uma nova aeronave, que deveria ter capacidade para o transporte de 92 passageiros, transportando 72 militares completamente armados ou 64 paraquedistas a uma distância de até 2.000km. O avião teria que ter capacidade para operar a partir de pistas rudimentares e de reduzidas dimensões.

Após estudos e avaliações entre os vários projectos concorrentes, a opção foi pelo modelo inicialmente conhecido como L-206, que mais tarde viria a ser conhecido como C-130 «Hercules» cuja primeira versão será conhecida como C-130A.

O primeiro voo foi efectuado em 23 de Agosto de 1954. Desde o inicio as aeronaves receberam quatro motores Allison T-56 (versão T-56-A-9) com três pás. Os primeiros C-130ª foram entregues em 1956.

C-130B
A segunda versão do C-130, foi introduzida em 1959. As inovações não foram muito significativas, apenas com alterações nos ailerons, e uma alteração nos motores que tiveram a sua potência aumentada e receberam quatro pás em vez de três.

C-130E
O modelo «E» foi apenas um modelo «B» adaptado com combustível adicional, na tentativa de aumentar o alcance máximo da aeronave, que recebeu uma versão ligeiramente melhorada do motor Allison T-56 (série A-7A).

Uma derivação desta série resultou no KC-130 (que chegou a ser designado C-130F) e que serve para reabastecimento de aeronaves em voo.

C-130H
Introduzido em 1974, este modelo do C-130 incluiu alterações principalmente ao nível dos sistemas de voo e auxiliares à navegação. O modelo «H» continua a ser um dos modelos mais utilizados e várias forças aéreas que possuíam versões mais antigas, converteram muitas das suas aeronaves para o padrão C-130H. A aeronave também foi vendida para o Reino Unido, conde é conhecida como C-130K.

Existe um tipo de C-130H que recebeu duas secções adicionais, uma de 254cm à frente, e outra de 203cm atrás das asas, aumentando a dimensão do avião e 457cm. Essa versão é conhecida como C-130H-30.

C-130J
A mais recente derivação desta família de aeronaves de transporte é o C-130J. Trata-se basicamente do mesmo avião, com a electrónica completamente modernizada, e com novos motores Rolls Royce AE-2100D3, que elevam a potência da aeronave para 18.500cv e a velocidade máxima para mais de 650 km/h.

O Hércules C-130J, também pode ser fornecido na versão C-130J-J30, com uma secção adicional de 4.5 metros, como ocorre no C-130H-H30.

No entanto, o desenvolvimento desta versão da aeronave parece ter sido custoso e a idade do projecto começa a pesar. Vários fabricantes, entre os quais a brasileira Embraer, apresentaram já projectos de aeronaves com motor a jacto, que se destinam a substituir os modelos da família C-130J.

-

   
---