Dados sobre utilizadores deste modelo
Brasil

Aeronaves do mesmo tipo ou relacionadas:

EMB-110 «Bandeirante»
Aeronave de transporte ligeira
EMB-111 Bandeirante
Aeronave ligeira de vigilância marítima

Notícias relacionadas
Airbus francês desaparece no Atlântico


EMB-111 Bandeirante
Aeronave ligeira de vigilância marítima (Embraer)
EMB-111 Bandeirante

Dimensões:Motores/ Potência
Comprimento: 14.6 M
Envergadura: 1.3 M
Altura: 4.9
2 x motores Pratt & Withney PT6-A34
Potência total: 1500 HP/CV
Peso / Cap. carga Velocidade / Autonomia
Peso vazio: 3900 Kg
Peso máximo/descolagem: 7000 Kg
Numero de suportes p/ armas: 4
Capacidade de carga/armamento: 1712 Kg
Tripulação : 2
Passageiros: 5 a 7
Velocidade Maxima: 393 Km/h
Máxima(nível do mar): Não disponível
De cruzeiro: 360 Km/h
Autonomia standard /carregado : 2500 Km
Autonomia máxima / leve 2945 Km.
Altitude máxima: Não disponível


- - -

Radares
- Thales group Supersearcher - Vigilância marítima (Alcance médio: 130Km)
Outros sistemas electrónicos
- Thales group DR-2000 S/U/A - Dalia (Sistema de vigilância electrónica)

Forum de discussão

Versão de patrulha do Embraer 110 Bandeirante. Pensado para substituir os P2E-Neptune nos anos 70.

A aeronave está equipada para missões de patrulha marítima, com radar e sistemas electrónicos de vigilância e pesquisa do espectro radioelectrico.

Informação genérica:
EMB-110
O Emb-110 «Bandeirante» pode-se considerar o embrião do que seria a empresa aeronáutica Embraer. Ele foi projectado pelo CTA (Centro Técnico Aeroespacial) em S. José dos Campos (São Paulo) em 1965, para corresponder a uma especificação do então Ministério da Aeronáutica.
A especificação brasileira, pedia uma aeronave bimotor turboelice, capaz de desempenhar missões de transporte de passageiros e de carga.
Foram apresentados três protótipos, e a própria empresa Embraer, nasceu da decisão governamental de fabricar em série a aeronave, em Agosto de 1969 a empresa foi criada por decreto governamental e iniciou a sua actividade em 2 de Janeiro de 1970.

O sucesso do EMB-110 não foi no entanto o único responsável pelo sucesso da Enbraer, pois por exemplo em 1983, a empresa já tinha entregue 2.291 aviões ligeiros, desde aeronaves agrícolas até pequenas aeronaves de transporte (até 12 lugares) derivadas de modelos da norte-americana Piper montados no Brasil.

O primeiro voo do EMB-110 ocorreu em 1972 e a versão militar da aeronave foi conhecida como C-95. A versão civil começou a ser vendida para o mercado doméstico brasileiro e também para exportação. As encomendas da FAB e de entidades do poder público como a FUNAI (Fundação Nacional do Índio) a SUDECO (Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste), ou a SUDENE (Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste), também contribuíram para ajudar a garantir o sucesso da aeronave da EMBRAER.

Já em 1975, havia planos para prosseguir o sucesso do EMB-110. Inicialmente previa-se «esticar» o avião, para permitir passar dos 19 (depois 21) passageiros para até 25 e essa versão da aeronave deveria ser conhecida como EMB-120 «Araguaia». Já uma versão menor, mas mais larga seria utilizada como aeronave executiva, designada como EMB-121 «Xingu», havendo planos para introduzir a aeronave no mercado norte-americano.

Mas no final dos anos 70 e inicio dos anos 80 a crise nos Estados Unidos fez descarrilar os planos da Embraer para a internacionalização, ao mesmo tempo que se concluiu que o projecto do EMB-120 «Araguaia» era demasiado pequeno e que ele não seria mais que o EMB-110 com cabine pressurizada.

Nasce o EMB-120
Perante um aparente fim-de-linha para o modelo 110, a Embraer tratou de desenvolver um novo avião, utilizando como base os ensinamentos obtidos com os estudos para uma cabine pressurizada.
Deu-se assim inicio a um processo ainda mais ambicioso, o da criação de uma aeronave maior que o «Bandeirante» com cabine pressurizada e que pudesse responder às exigências dos mercados de exportação. Ela já não vai ter o nome inicialmente previsto para o modelo 110 «esticado» e por isso será conhecido como Embraer EMB-120 «Brasília».
Em vez de um limite de 25 passageiros, ele terá capacidade para 30 passageiros e uma velocidade máxima de 555km/h.

A aeronave encontrará um largo mercado nos Estados Unidos como «commuter», aeronave de ligação entre pequenos aeroportos e aeroportos onde se efectuam voos intercontinentais ou mesmo voos domésticos de média duração.

Os planos da Embraer para aumentar a capacidade do EMB-120 para permitir atingir os 39 lugares, foram cancelados. Por um lado um período de crise afectou a industria aeronáutica brasileira no final dos anos 80 e inicio dos anos 90, por outro lado esse atraso permitiu à Embraer dar um salto muito maior que permitiu à empresa atingir o mercado dos jactos regionais de passageiros. Dessa decisão resultará o EMB-145.

-

   
---