AN/TPQ-36
Director de tiro de artilharia
Fabricante: Raytheon Systems


Estimativa de alcance


Países que utilizam este sistema: Portugal -

Portugal
Este sistema entrou ao serviço do Exercito Português em 2003 e esta inserido no (AFATDS) Advanced Field Artillery Tactical Data System da Artilharia Campanha em Portugal.

O Exército Português recebeu a versão (V)8 utilizada pelo corpo fuzileiros navais dos Estados Unidos da América, esta configuração consiste num controlador novo das operações (OCG) que usa um abrigo de pouco peso (LMS) montado numa viatura HMMWV M1097, sendo esta da família viatura M998 , este sistema reboca o reboque M116A2E1 que consiste na Antena (ATG) e no sistema posicionamento integrado do Azimute modular (MAPAS).

Numero de unidades : 2
Distribuido às uniddes de artilharia da BMI e à Escola Prática de Artilharia

Este radar foi inicialmente desenvolvido pelo conglomerado «Hughes» que foi posteriormente vendido à Raytheon.
O Radar localização de armas (RLA) AN/TPQ–36 (V)8, é um radar pequeno de pouco peso, altamente móvel, que tem por missão principal, localizar armas de tiro curvo de médio alcance (tiro indirecto).

O Radar referido teve melhoramento, da sua electrónica o que permite uma melhor visualização dos dados, um acesso mais rápido aos mesmos, e um aumento da memoria, com armazenamento digital de mapas. A inserção de um novo processador de alta velocidade permite-lhe processamento até 20 Alvos por minuto. A introdução de um amplificador de baixo ruído comutado com novo software, aumentou a capacidade detecção de posições falsas.



Capacidades : Localização automática ao 1º tiro Previsão de impacto do tiro de armas amigas Armazenamento até 240 localizações Seguimento 20 alvos simultâneo
Localiza armas de tiro curvo dos 750 m até : Morteiros: 18 km Artilharia: 14.5 km Foguetes: 24 km
Cobertura: 360º
Azimute sector : 90º


Este sistema funciona em conjunto com o AFATDS Sistema Táctico Avançado dos Dados da Artilharia de Campanha , que consiste num sistema de comando e controlo (C2) digital da artilharia de campanha do Exército português. Este sistema tem a sua origem nos Estados Unidos da América, sendo utilizado pelo USArmy, USMC.

No passado, a sustentação do fogo era conduzida manualmente ou de forma semiautomática , com o sistema AFATDS passou-se a dispor da capacidade de automatização e integração do planeamento, coordenação e controlo de todos os intervenientes no apoio de fogo como artilharia campanha, morteiros, apoio aéreo próximo, artilharia naval, apoio aéreo ofensivo e ainda guerra electrónica.

O AFATDS tem três características principais que são:

Funcionalidade operacional, aplicável a toda a força – Arquitectura de comunicação compatível com diferentes processadores, computadores e protocolos de comunicação – Um sistema software modular, que funciona independentemente da plataforma, processador ou arquitectura considerada.

Este sistema pode implicar consideráveis alterações na articulação e procedimentos dos vários intervenientes do campo de batalha que por sua vez beneficiam de processamento automático e transmissão digital de dados, que permitem a aquisição, troca e emprego de informações colhidas no campo de batalha.

Todos estes factores levam a uma maior eficácia, rapidez e efectividade na velocidade, segurança e interoperabilidade de funcionamento entre todas as secções participantes no apoio de fogo.

Assim sendo o sistema AFATDS é uma indispensável ferramenta digital no apoio as tomadas de decisão, planeamento, execução e monitorização das operações na vertente apoio de fogos, do campo de batalha nos nossos dias.

Interior de veículo de comando (abrigo) do radar
Consola do sistema AFATDS


(Humberto Cardoso)


Nota: O inicio do fornecimento ao exército dos Estados Unidos do radar EQ-36, tornará o AN/TPQ-36 relativamente obsoleto.