Dados sobre países utilizadores:


Listar veículos do tipo
Veículo Blindado Transporte Pessoal

Veículos idênticos ou relacionados:


Piranha / «Grizzly»
Veículo de Combate de Infantaria

LAV-25 / Piranha
Veículo de Combate de Infantaria

Piranha «Bison»
Veículo Blindado Transporte Pessoal

Piranha III-C
Veículo Blindado Transporte Pessoal

Piranha IV / IFV
Veículo de Combate de Infantaria

Stryker AGS / M1128
Caça-tanques

Piranha V
Veículo Blindado Transporte Pessoal

 

Notícias relacionadas
Guerra no Rio de Janeiro já matou 44

Piranha III-C
Veículo Blindado Transporte Pessoal (Mowag / General Dynamics)
Piranha III-C

Projeto: Mowag / General Dynamics
Suiça
Dimensões
Comprimento
Comprimento máximo
Largura
Altura
Altura máxima
7.57
n/disponivel
2.71m
2.2M
Peso vazio
Peso / combate
Cap. Carga
Reboque
16.5t
18.5t
N/disponivel
N/disponivel
Motor / potência / capacidades
Motor
Potência
Vel. maxima
Terr. Irregular
C9 Caterpillar
400cv
100 Km/h
40 Km/h
Tração
Tanque combustivel
Autonomia
Tripulação
Oito rodas motrizes
N/disponível
800Km
2+11
60º
35º
Anfíbio
1.5M
0.5M

Armamento básico
- 1 x 25mm M242 / Mk.38 «Bushmaster» (Calibre: 25mm - Alcance estimado de 3Km a 6.8Km)
Sistema de radar auxiliar:

País: Brasil
Designação Local:Piranha III C
Qtd: Máx:30 - Qtd. em serviço:30
Situação: Em serviço
Operacionalidade:
O Brasil adquiriu em dois lotes, um total de 12 unidades deste veículo, para utilização na força de fuzileiros navais. O país utiliza esses veículos em operações de paz, enquanto a industria brasileira e as entidades militares responsáveis não tomam decisões firmes sobre a aquisição de novos sistemas.


Forum de discussão

Lançada em 1996, é a terceira série de veículos deste tipo, fabricados na Suiça pela Mowag, empresa que entretanto foi comprada pelo grupo norte-americano General Dynamics.

O Piranha III está especialmente concebido para permitir um maximo de intercambiabilidade entre as várias versões do veículo. Desta forma, é possível utilizar um grande numero de componentes de um Piranha-III equipado com torre de 90mm, com um outro equipado com metralhadora 12.7mm.

O veículo consegue atingir uma velocidade de 10.5km/h na água, propulsionado por duas hélices.

Ele também é mais pesado que os modelos anteriores e tem melhor protecção, resultado das necessidades identificadas nos novos campos de batalha.
O Piranha-III mantém a sua capacidade anfíbia.

Informação genérica:
Desenhada nos anos 70, a familia de veículos Piranha, é a mais profíqua e numerosa família de veículos blindados sobre rodas dos países ocidentais, e tem sido a referência pela qual se medem os veículos que posteriormente apareceram no mercado.

O sucesso do Piranha, foi impulsionado com a adaptação de um modelo apresentado para corresponder às necessidades norte-americanas, que ficou conhecido como LAV-25 e que entrou ao serviço entre 1983 e 1987.
Os LAV-25 foram fabricados pela General Motors do Canadá.

Os primeiros modelo foram apresentados em versão 6x6 e inicialmente conhecida como Piranha e LAV resultou numa série de versões e séries fabricadas em vários países no mundo, no que resultou num dos mais numerosos tipos de veículo 8x8 em serviço nos países da NATO.

O numero de designações existentes para as suas diferentes versões, levam a alguma confusão.

Stryker
Os veículos conhecidos como Stryker, constituem mais uma das variações do Piranha e foram utilizados como base para um sistema que monta uma torre equipada com um canhão de 105mm idêntico ao dos carros de combate M-60.

Piranha III
Para continuar a par com os desenvolvimentos da concorrência foi desenvolvido o Piranha III durante os anos 90.

Piranha IV
Já depois do anos 2000 com a aquisição da Mowag pela General Dynamics, foi apresentada uma versão maior do Piranha, conhecida como Piranha IV.


Comparação entre o LAV-25 à esquerda, derivado da primeira versão do Piranha e o Piranha-III mais recente à direita.

Piranha V
Em 2008 foi anunciado que a viatura escolhida para o programa FRES do exército tinha sido o Piranha V, uma versão «aumentada» do Piranha IV.