pub


 

Armas e equipamentos relacionados

Couraçado rápido - Conte di Cavour

Porta aviões - Illustrious

Couraçado rápido - Littorio

Bombardeiro leve / táctico - Swordfish


Acontecimentos Relacionados
13-12-1939
Batalha do Rio da Prata
10-05-1940
Blitzkrieg a ocidente
13-05-1940
Batalha de Sedan
10-06-1940
Queda da França
03-07-1940
Ataque a Mers-El kebir
13-08-1940
«Adlertag» O dia da Águia
25-08-1940
Primeiro bombardeamento de Berlim
28-10-1940
Invasão da Grécia
11-11-1940
Ataque a Taranto
27-04-1941
Queda de Atenas, 1941
19-05-1941
Operação Rheinubung
20-05-1941
Invasão de Creta
20-01-1942
Conferência de Wannsee
31-08-1942
O Brasil na II guerra
10-07-1943
Invasão da Sicília
24-07-1943
Operação Gomorra «Tempestade de Fogo»
09-09-1943
Afundamento do couraçado Roma
15-02-1944
Monte Cassino
06-06-1944
«Dia D» Invasão da Normadia
12-11-1944
Afundamento do Tirpitz
13-02-1945
Bombardeamento de Dresden
07-03-1945
Tomada da ponte Ludendorf


Ataque a Taranto
II Guerra Mundial / Frente Ocidental
11-11-1940

Este acontecimento teve inicio em: 11-11-1940 e terminou em 11-11-1940
Vencedor: Reino Unido

Forças em presença:

Reino Unido

Italia



Na noite de 11 de Novembro de 1940, aviões Swordfish baseados no porta-aviões britânico HMS Illustrious atacaram a base naval italiana de Taranto, onde se encontrava o grosso da «Regia Marina», a marinha italiana.

O ataque, foi da maior importância para levar a mudar muitas das doutrinas da guerra no mar, pois foi a primeira operação em tempo de guerra a demonstrar que contra o domínio dos grandes couraçados, um novo tipo de navio surgia como Rei dos Mares. Esse navio era o porta-aviões.

A possibilidade de efectuar um ataque com aeronaves contra navios um porto tinha sido estudada pelos britânicos desde 1939, quando as relações entre a Grã Bretanha e a Itália pioraram na sequência do ataque italiano contra a Etiópia.

Quando os italianos atacaram a Grécia nop final de Outubro de 1940, a necessidade de neutralizar a esquadra italiana passou a ter prioridade entre os comandantes britânicos no Mediterrâneo.

A esquadra italiana era poderosa, mas as suas acções no Mediterrâneo tinham sido inconclusivas, com vários navios danificados e afundados pelos britânicos. No entanto, contava com navios poderosos, como os novos couraçados Littorio e os couraçados italianos do período da I Guerra, que tinham sido virtualmente reconstruídos, possuindo todos eles velocidade superior aos navios da esquadra britânica.

Os comandantes da Royal Navy tinham considerado a possibilidade de utilizar dois porta-aviões no ataque, mas um deles, o Eagle, não estava operacional pois tinha sido atingido com gravidade por aviões italianos em Punta Stilo.
Por esta razão, apenas o porta-aviões Illustrious foi utilizado Para o ataque, tendo recebido um reforço de aeronaves do Eagle.

Mapa da área da operação dos bombardeiros Swordfish
A esquadra britânica tomou posição no Mar Mediterrâneo entre a costa da Itália e a da Grécia e aproximou-se com o cair da noite de uma posição a noroesta da ilha grega de Cefalónia.

Foram enviadas duas vagas de ataque, utilizando para o efeito os aviões torpedeiros Swordfish. A primeira vaga de ataque saiu às 21:00 do porta-aviões e foi composta por 12 aviões, que se aproximaram de Taranto sem serem detectados. No entanto um dos aviões seguiu uma rota diferente, pelo que chegou a Taranto antes dos outros, o que levou a que a artilharia antiaérea italiana entrasse em acção.

Seis dos Swordfish estavam armados com bombas e os outros seis com torpedos.Um dos aviões lançou um torpedo que atingiu o couraçado Conte di Cavour, provocando-lhe um rombo com uma largura de cerca de 8 metros. Foi também atingido o moderno couraçado Littorio com dois torpedos.

A segunda vaga de aeronaves chegou cerca de uma hora depois, tendo atingido o couraçado Caio Duilio com um torpedo.

Dos 21 aviões britânicos dois perderam-se.

Como resultado do ataque, a Itália ficou sem três dos seus couraçados.
O Littorio e o Caio Duilio foram rebocados para Nápoles, onde estavam mais protegidos, mas os trabalhos de recuperação do Conte di Cavour nunca chegaram a concluir-se.

O ataque a Taranto, provocou problemas imediatos à marinha da Itália, embora não lhe tenha desferido um golpe fatal. Só mais tarde a marinha italiana sofreria danos graves perante navios britânicos em alto mar.

No entanto, a lição de Taranto ficou para a História Naval.
Os japoneses consideraram este ataque e estudaram-no minuciosamente para planear a sua acção contra Pearl Harbour e começou a ficar claro que um novo tipo de navio começava a suplantar o couraçado como principal meio de guerra no mar.