pub


 

Acontecimentos Relacionados
13-12-1939
Batalha do Rio da Prata
10-05-1940
Blitzkrieg a ocidente
13-05-1940
Batalha de Sedan
10-06-1940
Queda da França
03-07-1940
Ataque a Mers-El kebir
13-08-1940
«Adlertag» O dia da Águia
25-08-1940
Primeiro bombardeamento de Berlim
28-10-1940
Invasão da Grécia
11-11-1940
Ataque a Taranto
27-04-1941
Queda de Atenas, 1941
19-05-1941
Operação Rheinubung
20-05-1941
Invasão de Creta
20-01-1942
Conferência de Wannsee
31-08-1942
O Brasil na II guerra
10-07-1943
Invasão da Sicília
24-07-1943
Operação Gomorra «Tempestade de Fogo»
09-09-1943
Afundamento do couraçado Roma
15-02-1944
Monte Cassino
06-06-1944
«Dia D» Invasão da Normadia
12-11-1944
Afundamento do Tirpitz
13-02-1945
Bombardeamento de Dresden
07-03-1945
Tomada da ponte Ludendorf


Invasão da Grécia
II Guerra Mundial / Frente Ocidental
28-10-1940

Este acontecimento teve inicio em: 28-10-1940 e terminou em 28-10-1940
Vencedor: Nenhum

Forças em presença:

Italia

Grécia



28 de Outubro de 1940 marca a data do inicio da guerra entre a Itália e a Grécia.

O governo grego, era um governo a que em muitos aspectos era próximo da Alemanha, no entanto tradicionalmente a Grécia era um aliado da Grã Bretanha, país com o qual os italianos estavam em conflito desde que a Itália tinha declarado guerra aos britânicos quatro meses antes.

A campanha italiana no norte de África tinha corrido mal e as forças italianas que numa fase inicial avançaram sobre as posições britânicas foram rechaçadas em toda a linha.

O ataque á Grécia foi visto também como uma forma de contrabalançar o crescente poder e influência da Alemanha, visto com desconfiança pelos italianos, mesmo sendo a Alemanha um aliado da Itália.

Hitler ficou irritado quando foi informado da invasão, pois estava a negociar acordos vantajosos com os gregos, que garantiam a neutralidade da Grécia e ajudavam a manter a neutralidade da Turquia.

Por essa razão, Hitler não se preocupa especialmente com qualquer auxilio aos gregos.

A invasão da Grécia foi efectuada a partir do território da Albânia, que tinha sido anexado pelos italianos em 1939, e a força italiana era composta por um exército de 75.000 homens, mais as forças de uma divisão de reserva e duas divisões que estavam no norte da Albânia.

As forças estavam divididas em dois corpos de exército:

O XXV corpo, com três divisões, uma das quais blindada sendo o mais poderoso.
O XXVI corpo era composto por três divisõe de infantaria.
Além destas unidades havia uma divisão de montanha que era a divisão de vanguarda no ataque italiano.

A Grécia porém não havia ficado quieta. Desde Julho que várias provocações e exigências italianas, faziam supor que alguma coisa seria tentada pelos italianos, e como a Itália tinha passado a controlar a Albânia, era ali que os gregos esperavam que qualquer acção italiana ocorresse.

Em Outubro de 1940, o exército da Grécia tinha um efectivo total de 430.000 homens, num total de 6 divisões de infantaria, 9 divisões de montanha (nem todas mobilizadas) e uma divisão de cavalaria, além de outras unidades auxiliares.
Cada divisão de infantaria tem cerca de 15.000 homens em três regimentos de infantaria e um regimento de artilharia com canhões de 75mm e 105mm), cada divisão de montanha tem 12.000 homens e mais canhões de montanha de 75mm.
A motorização do exército grego é reduzida e o exército tem 240 camiões de transporte, 172 tractores de artilharia e apenas quatro tanques.

Mapa dos planos italianos, que previa tomar a Grécia em três fases
Ordem para atacar dentro de 11 dias

A ordem de Mussolini aos seus generais para que atacassem a Grécia foi dada a 15 de Outubro, perante o espanto e perplexidade destes, pois a Itália precisava de um mínimo de 20 divisões para garantir a vitória e só tinha nove na Albânia.

Por esta razão os generais precisavam pelo menos de três meses para preparar um ataque, mas Mussolini deu-lhes 11 dias, prazo que será estendido em mais dois dias.

A 28 de Outubro as tropas italianas atacam em duas frentes, pois a fronteira que têm pela frente está na prática dividida em dois pela cordilheira de montanhas dos Pindos. A leste fica a Macedónia e a oeste o Épiro.

São efectuados bombardeamentos aéreos sobre alvos gregos, mas o mau tempo reduz a vantagem da superioridade aérea italiana. Logo no segundo dia as tropas gregas começam a reforçar as frentes e são transferidas tropas da fronteira Búlgara para a Macedónia. A 31 de Outubro os gregos tentam o contra-ataque mas sem sucesso.

Algumas unidades italianas ainda frescas, nomeadamente as forças de montanha ainda conseguem alguns sucessos nos dias iniciais da ofensiva, mas rapidamente se nota a falta de preparação e capacidade logística das forças italianas.
Essa deficiência começa a transparecer na Grécia, como já tinha transparecido na Líbia.

Os pequenos tanques italianos mostram-se inúteis em montanha e as estradas de péssima qualidade, praticamente carreiros de Cabras impedem a utilização desta vantagem táctica, pois os gregos não têm tanques.

Ajuda britânica
Os gregos não têm superioridade aérea e os poucos aviões que tinham estão reduzidos quase a zero. Surgem os primeiros contactos com os britânicos sobre a possibilidade de estes apoiarem a Grécia.

O dirigente grego Metaxas está numa situação estranha, pois é um reconhecido germanófilo, mas a Grécia é uma aliada tradicional da Grã Bretanha. Se aceita o apoio britânico cria condições para uma intervenção alemã, mas sabe que o tempo joga contra si. Os britânicos enviam quatro esquadrões de aviões para a Grécia. Os primeiros começam a operar a 4 de Novembro

Depois da invasão italiana (b) a vermelho, a Grécia ocupa o sul da Albânia atingindo a linha (a)
E é a 4 de Novembro, apenas uma semana após o inicio do ataque italiano, que o exército grego passa à ofensiva, conseguindo parar o exército invasor.

Os abastecimentos do exército italiano não chegam a tempo, a proposta operação naval de apoio ao avanço por terra não pode ocorrer por causa do mau tempo. Os italianos param e em alguns pontos retiram.
A força aérea italiana com uma melhora do tempo ainda tenta apoiar as tropas em terra com ataques aéreos, mas a sua utilidade é mínima e a partir do dia 4, começa a enfrentar aviões da Royal Air Force.

A 12 de Novembro a situação das forças italianas é má e os gregos estão em condições de atacar novamente com os reforços recebidos da fronteira búlgara. As tropas gregas somam 250.000 homens, as italianas apenas 180.000.

Contra-ataque grego força italianos a recuar para a Albânia

O exército grego recuperou o território perdido e a 14 de Novembro entrou em território da Albânia.
As forças gregas continuaram a avançar até 10 de Janeiro de 1941, altura em que atingem as posições mais avançadas.
Os gregos não têm capacidade para avançar mais e assumem posições defensivas. A situação continuará assim durante o resto de Janeiro e todo o mês de Fevereiro, até que em 10 de Março os alemães intervêm no conflito, atacando a Grécia.