pub


 

Acontecimentos Relacionados
01-09-1939
Invasão da Polónia
17-09-1939
Invasão soviética da Polónia
03-04-1940
Massacre de Katyn
22-06-1941
Operação «Barba Ruiva»
07-07-1941
Batalha de Smolensk
28-06-1942
Operação Azul: Estalinegrado
15-10-1942
Chegada ao Volga
19-11-1942
Operação Urano: Estalinegrado
02-02-1943
Queda de Estalinegrado
05-07-1943
Batalha de Kursk
23-06-1944
Operação Bagration
15-02-1945
Cerco de Breslau
16-04-1945
Batalha de Berlim


Chegada ao Volga
II Guerra Mundial / Frente Leste
15-10-1942

Este acontecimento teve inicio em: 15-10-1942 e terminou em 15-10-1942
Vencedor: Nenhum

Forças em presença:

Alemanha / III Reich

União Soviética



A 15 de Outubro de 1942 as tropas alemãs do VI exército atingem pela primeira vez o seu objectivo principal na longa batalha pelo controlo da cidade de Estalinegrado.
Durante este dia, tropas alemães atingem as margens do rio Volga e isolam forças russas que ainda se encontram na margem ocidental.

A vitória alemã na batalha, parece decisiva e leva mesmo a os alemães cantem vitória.
Ao chegar ao rio Volga, os alemães tinham completado mais de um mês de combates duríssimos, cujo principal símbolo foi a luta pela posse da colina Kurgan-Mamaev que dominava Estalinegrado e que permitia utilizar a artilharia contra qualquer ponto da cidade. A colina foi disputada entre 13 e 27 de Setembro, altura em que os alemães consolidaram posições. Com a Kurgan-Mamaev controlada, e com a utilização da artilharia alemã para apoiar o avenço da infantaria, foi finalmente possível atingir ao rio Volga.

Declarada a vitória
O General Von Paulus, comandante do VI exército manda dizer a Hitler que as tropas chegaram ao Volga. Os dignitários Nazis exultam e em privado Hitler afirma que a Rússia não tem mais condições para continuar a lutar. No mês seguinte, mandará reunir os mais altos dignitários do regime e comunica solenemente que as tropas do Reich conquistaram a cidade com o nome de Estaline.
«Os navios já não podem subir o Volga, e isso é o mais importante», afirmou Hitler na altura.

Na verdade, embora os alemães tivessem tomado uma das margens do rio Volga, os navios não precisavam subir o rio, apenas precisavam atravessa-lo.

A partir de 15 de Outubro, embora o general Paulus tivesse mandado informar Hitler de que tinha chegado ao Volga, a situação é de impasse. Os soviéticos passam a efectuar operações aéreas nocturnas. Embora os alemães tenham tomado as posições elevadas na colina Kurgan-Mamaev, os russos persistem em resistir no sopé dessa mesma coluna, de onde os alemães bombardeiam as posições russas.
Mas a 29 de Outubro, os alemães controlam 90% da cidade. Os avanços alemães conseguiram isolar os restantes 10% , onde se seguram os restos do 62º exército soviético, que não obstante continua a ser reabastecido, ainda que em condições terríveis.
A pressão dos soviéticos na pequena área de terra detida pelo 62º exército leva a que seja nesse pequeno espaço que os alemães vão concentrar a sua atenção, com o objectivo de vencer as últimas bolsas de resistência.
A verdadeira situação das forças alemãs porém, está muito longe de ser boa. Nos primeiros dias de Novembro, Von Paulus não sabe, mas tem pela frente, um total de 16 divisões soviéticas e mais estão a caminho.
As tropas alemãs são poucas e estão relativamente disseminadas. A solução de recurso, passou por colocar dois exércitos romenos nos flancos do VI exército alemão. O 3º Exército Romeno a norte-noroeste e o 4º Exército romeno a sul, juntamente com parte do 4º exército Panzer.

Os comandos romenos, estão conscientes da debilidade das suas forças, e ocupam as áreas quase vazias do flanco a sul do 6º exército, tendo no entanto consciência da impossibilidade de defender aquelas áreas. Durante os primeiros dias de Novembro, os observadores notam um aumento muito grande das forças russas em frente às posições do 3º exército romeno, mas como durante todo esse período tinha havido vários ataques relativamente fáceis de repelir, os principais comandos alemães não consideraram devidamente o perigo que oferecia o aumento de tropas russas em frente às tropas mais débeis na área de Estalinegrado. A debilidade das forças romenas estava no seu material, mas também na longa linha de frente que lhes tinha sido atribuída.

Os romenos insistiram com os alemães, para que fosse feito um esforço de forma a que as tropas romenas pudessem chegar ao Volga, para que o rio funcionasse como defesa anti-tanque.

Os tanques russos constituíam o principal receio das forças romenas. Os tanques checoslovacos que possuíam, e que eram bastante modernos em 1939, estavam obsoletos no fim de 1942. O calibre dos seus canhões era o mesmo dos canhões anti-tanque da infantaria romena: 37mm
Esse tipo de arma tinha mostrado ser ineficiente contra a blindagem inclinada dos tanques T-34, pelo que na prática os romenos não tinham pura e simplesmente com que parar os tanques russos, se os tanques russos atacassem o exército romeno em força.

Para complicar as coisas, a 8 de Novembro, os aliados ocidentais atacam o norte de África, tomando cidades em Marrocos e na Argélia, o que despoletou a necessidade de os alemães ocuparem a França de Vichy e distraiu ainda mais as atenções dos comandos alemães.

A posição dos exércitos alemães romenos e italiano, antes do inicio da contra-ofensiva soviética.
Os perigos poderiam ter sido menosprezados pelos comandos em Berlim, mas não deixavam de ser notados pelos comandos no terreno. Os romenos avisaram que esperavam um forte ataque russo a 8 de Novembro, o que não se confirmou. Mas o comandante da Luftwaffe no terreno, general Von Richtofen, estava ao corrente da concentração de forças russas. A Luftwaffe tinha por isso começado a dirigir os seus ataques contra as posições russas à frente do 3º exército romeno.

Hitler aceitou reforçar as tropas romenas, recomendando que o 3º exército romeno fosse reforçado com tropas alemãs e que fossem colocados campos de minas para proteger contra o provável ataque russo.
Não havia no entanto material suficiente, nem tempo para organizar as operações de minagem, nem havia tropas alemãs suficientes para reforçar o 3º exército romeno.

Praticamente o único reforço de forças alemãs que foi enviado aos romenos, foi o da recentemente formada, a 22ª Divisão Panzer que toma posições na retaguarda das forças do 3º exército romeno a 16 de Novembro.
Mas a divisão tem pouco treino, e não está suficientemente equipada. Apenas 40% dos seus tanques chegam a tomar posições defensivas. Junto a eles está a única divisão blindada romena, equipada com 108 tanques, dos quais 87 são tanques leves Skoda. Os romenos e os alemães sabem que o numero de forças russas no flanco norte do 6º exército é grande e aguardam a possibilidade de um ataque, que finalmente ocorrerá a 19 de Novembro.