pub


 

Armas e equipamentos relacionados

Carro de combate médio - PzKpfw-III E/F «Panzer III»

Carro de combate leve - PzKpfw-II Ausf.C (Panzer II)

Carro de combate leve - T-26 (mod.1933)

Carro de combate médio - T-34/76B m.1941

Sistema lançador de foguetes de artilharia - BM-13-16


Acontecimentos Relacionados
01-09-1939
Invasão da Polónia
17-09-1939
Invasão soviética da Polónia
03-04-1940
Massacre de Katyn
22-06-1941
Operação «Barba Ruiva»
07-07-1941
Batalha de Smolensk
28-06-1942
Operação Azul: Estalinegrado
15-10-1942
Chegada ao Volga
19-11-1942
Operação Urano: Estalinegrado
02-02-1943
Queda de Estalinegrado
05-07-1943
Batalha de Kursk
23-06-1944
Operação Bagration
15-02-1945
Cerco de Breslau
16-04-1945
Batalha de Berlim


Batalha de Smolensk
II Guerra Mundial / Frente Leste
07-07-1941

Este acontecimento teve inicio em: 07-07-1941 e terminou em 07-07-1941
Vencedor: Alemanha / III Reich

Forças em presença:

Alemanha / III Reich

União Soviética



A batalha de Smolensk que teve inicio em 7 de Julho de 1941, quase exactamente duas semanas após a invasão da União Soviética por parte da Alemanha. Foi a primeira grande batalha da guerra a leste, depois das operações que se seguiram à surpresa no inicio da operação Barbarrossa. Ela constituiu também uma tentativa falhada por parte do exército vermelho para contra-atacar e de impedir os alemães de chegarem aos arrabaldes de Moscovo.

No inicio de Julho, os generais soviéticos já tinham entendido que a ofensiva alemã se dividia em três frentes distintas e que o objectivo da frente central alemã, era Moscovo.

Com isso em mente, os generais soviéticos tentam organizar rapidamente um plano de resposta, com o objectivo de pelo menos atrasar a ofensiva, dado que as principais forças da frente central, se lançavam em 1 de Julho em duas direcções distintas sobre a cidade de Smolensk, com o objectivo de tomar a principal estrada entre a capital da Bielorússia, Minsk (já em mãos alemãs) e Moscovo.

A 1 de Julho, após dez dias de guerra, as avançadas blindadas das divisões Panzer alemãs avançaram 320 quilómetros no norte, 450 a 500 quilómetros na frente central e apenas 100 quilómetros na frente sul [1].

Na frente central, embora avançando velozmente, as forças alemãs estão atrasadas por causa da grande bolsa de forças soviéticas cercadas na região de Minsk, a qual teve que ser destruída o que atrasou as forças alemãs, necessárias para apoiar o avanço dos blindados.

Após a reorganização das forças alemãs, uma nova ofensiva toma forma na região da frente central e rapidamente se entende quais os seus objectivos.
Duas grandes concentrações blindadas são lançadas sobre o rio Berezina, um dos principais obstáculos que se coloca perante as forças alemãs, para atingirem o seu objectivo, que é o de tomar a cidade de Smolensk e a estrada que a liga directamente a Moscovo.

Posição das forças antes do inicio da batalha de Smolensk

Conforme é normal na táctica alemã das pinças blindadas que avançam contornando o inimigo para se juntarem na retaguarda, as duas «pinças» eram constituidas pelos blindados da «pinça norte» que atacam na região de Borisov, onde os alemães já tinham estabelecido uma testa-de-ponte enquanto os blindados da «pinça sul» atacam a cerca de 130Km de distância, em Bobruysk com os tanques da 3ª Div. Panzer.

Alguns dias antes, tinham chegado à região de Borisov, alguns tanques T-34 que foram utilizados pelo Gen. Eremenko para atacar a testa-de-ponte alemã, defendida pela 18ª Div.Panzer. Os tanques alemães absorvem o choque com dificuldade e resistem in extremis à tentativa russa de os fazer recuar para o outro lado do rio.
Só a superioridade técnica do restante material alemão e o muito superior treino dos alemães, impede que os russos consigam inverter ali mesmo, a alguns dias do inicio do conflito, o curso da guerra.

A batalha de Smolensk, contribuiu ainda para que os russos fizessem o primeiro teste real dos seus sitemas de lançamento de foguetes, conhecido como Katyusha, na região de Rudina. É também utilizada uma mistura de gasolina com um produto quimico disponível em grandes quantidades numa fábrica da região e distribuidas 10.000 garrafas de cocktail Molotov. Mas estas soluções são apenas improvisos, que não conseguem impedir o avanço dos alemães.

Smolensk foi o primeiro campo de batalha onde foram introduzidos os lançadores multiplos de foguetes conhecidos como Katiusha. A arma era tão secreta, que houve tropas russas que fugiram assustadas.
A 16 de Julho, o avanço alemão atinge Smolensk, que é tomada pelas forças do Gen. Guderian e o cerco das unidades soviéticas fica quase completo. A imprensa alemã dá um grande relevo ao facto de estarem praticamente cercadas 16 divisões russas, e uma enorme quantidade de material, que se estima em 3.100 canhões e 3.200 carros de combate. Os alemães afirmam mesmo que esta vitória que abre a estrada para Moscovo, é uma vitória sem precedentes nos anais da História Militar.

Mas ao contrário do esperado, as coisas não vão exactamente ocorrer como previsto pelos generais alemães mais optimistas.
Na realidade, e embora a 16 de Agosto estejam efectivamente prestes a ser cercadas várias divisões russas, a dificuldade e o desgaste das forças alemãs começa a tornar-se evidente.
A 18 de Julho, as forças alemães da pinça norte, que se moviam muito mais devagar numa região pantanosa, estão ainda a 16Km de fechar a bolsa, enquanto os russos lutam desesperadamente por evitar o cerco.

Embora tudo levasse a crer que os exércitos soviéticos iam mais uma vez ficar completamente cercados, só a 26 de Julho as forças alemãs conseguem vencer os 16Km que as separavam.[2]
O fecho da bolsa de Smolensk, foi uma meia vitória para os alemães. Depois de 26 de Julho e até 10 de Setembro, as forças alemãs ocuparam-se na limpeza da bolsa cercada, mas na verdade, embora um grande numero de prisioneiros fosse feito, quase metade do efectivo das forças soviéticas tinha conseguido escapar ao cerco, juntando-se ao grosso das forças russas.

A estrada para Moscovo estava aberta para os alemães, mas o enorme esforço e desgaste a que as forças do III Reich foram submetidas em Smolensk, não só desgastou as forças alemãs e deixou mais de 200.000 russos para continuar a lutar. A batalha de Smolensk durou praticamente dois meses. Quando acabou, tinha chegado o Outono, a Rasputitsa[2] tornou as estradas enlameadas e a chegada a Moscovo em 22 de Outubro de 1941, era uma miragem que até Hitler sabia não poder ser cumprida.

Embora o exercito soviético viesse ainda a sofrer grandes derrotas, a batalha de Smolensk demonstrou aos generais russos, que embora com grandes sacrifícios, era pelo menos possível atrasar o avanço alemão.


[1] Era na frente sul que se encontravam as unidades blindadas soviéticas com maior poder, e melhor treino.
Mesmo assim, os tanques estavam equipados com munição adequada para apoio de infantaria e não com munição para perfurar blindagem, pelo que os famosos T-34 embora quase imunes aos tanques alemães, não tinham outro remédio que não fosse arremeter contra os canhões da infantaria alemã para os esmagar com as lagartas.

[2] Um general alemão escreverá nas suas memórias que na realidade, foi na batalha de Smolensk que a ideia do Blitzkrieg ou Guerra Relâmpago como táctica de sucesso faliu. Hitler nunca o percebeu que a obstinada resistência russa, impediu as forças alemãs de fechar as suas pinças de aço, desgastando-as terrivelmente.

[3]Nome que os russos dão ao período de chuvas a seguir ao Verão, em que o solo fica completamente enlameado e que dura até que o frio do Inverno volte a endurecer novamente o chão.