pub


 

Armas e equipamentos relacionados

Aeronave de transporte médio - Ju-52/3m g7e


Acontecimentos Relacionados
01-09-1939
Invasão da Polónia
17-09-1939
Invasão soviética da Polónia
03-04-1940
Massacre de Katyn
22-06-1941
Operação «Barba Ruiva»
07-07-1941
Batalha de Smolensk
28-06-1942
Operação Azul: Estalinegrado
15-10-1942
Chegada ao Volga
19-11-1942
Operação Urano: Estalinegrado
02-02-1943
Queda de Estalinegrado
05-07-1943
Batalha de Kursk
23-06-1944
Operação Bagration
15-02-1945
Cerco de Breslau
16-04-1945
Batalha de Berlim


Queda de Estalinegrado
II Guerra Mundial / Frente Leste
02-02-1943

Este acontecimento teve inicio em: 02-02-1943 e terminou em 02-02-1943
Vencedor: União Soviética

Forças em presença:

União Soviética

Alemanha / III Reich



Com a capitulação das tropas do Marechal Friedrich Von Paulus, às forças do exército vermelho em 2 de Fevereiro de 1943, termina um dos capítulos mais conhecidos da II guerra mundial, e aquela que é considerada como a mais sangrenta batalha na História da Humanidade, onde as perdas totais dos dois lados atingiram 1.500.000 de mortos.

Estalinegrado, é o ponto de viragem da II guerra mundial, marcado pela amarga derrota e destruição de parte das forças do III Reich, na sua tentativa começada em 1941 de tomar a União Soviética e de ocupar o território daquele país até aos montes Urais.

Embora se possa determinar quando é que de facto caiu Estalinegrado, há várias interpretações sobre quando efectivamente começou a batalha.

Vários historiadores militares apontam o inicio da ofensiva alemã para leste em 21 de Agosto de 1942 como o inicio da batalha, enquanto que outros afirmam que a batalha de Estalinegrado, começa efectivamente com a «operação Urano», quando uma ofensiva relâmpago das forças soviéticas iniciada a 19 de Novembro, lança as suas pinças a norte e a sul da cidade, conduzindo ao cerco do VI exército alemão de algumas unidades do IV e de forças romenas em apenas 3 dias.

Desde 22 de Novembro até 2 de Fevereiro, as forças alemãs ficam cercadas por contingentes cada vez maiores de forças soviéticas.

Herman Goering, o comandante máximo da Luftwaffe, afirmou perante Hitler mais por vaidade que por desconhecimento, que a Luftwaffe seria capaz de suprir as necessidades do 6º exército. No entanto, essa capacidade era infima (verde) para as reais necessidades de um exército cercado(vermelho).
a foto, o Junkers Ju.52, principal aeronave de transporte alemã durante a operação, embora tenham sido utilizados todos os tipos de aeronave disponíveis. A grande capacidade da artilharia anti-aérea soviética abateu muitos dos aviões alemães.
Goering e o apoio aéreo a Estalinegrado
Se a situação do VI exército era grave antes do inicio do cerco, pois os generais alemães não tinham grandes dúvidas sobre a fraca qualidade dos exércitos romenos que se encontravam nos seus flancos, depois do inicio do cerco a situação podia ser considerada crítica.

Mas sabendo o gosto que Hitler tinha pelas cidades fortaleza, que eram capazes de pela sua simples existência, fixar grandes quantidades de exércitos inimigos muitos dos altos dignitários nazis, concorreram para evitar que o VI exército tentasse romper o cerco enquanto ainda tinha forças para isso.

O principal responsável por manter o mito de que era possível manter o VI exército mesmo cercado, foi Hermann Goering, o comandante da Luftwaffe, a força aérea alemã.
Goering, garantiu a Hitler que a Luftwaffe seria capaz de apoiar o exército cercado através de uma maciça ponte aérea em que os suprimentos, comida, combustível e munições seriam transportados por aeronaves de transporte, utilizando os dois aérodromos que continuavam em mãos alemãs, dentro da bolsa de Estalinegrado:
O maior deles, o de Pitomnik a cerca de 22km de Estalinegrado o mais pequenos de Gumrak a cerca de 15km.
Além dos dois aeródromos, foi ainda construído um pequeno aeródromo para aeronaves ligeiras, conhecido como Stalingradski que serviu de alternativa apenas durante alguns dias.

A 24 de Dezembro, a tentativa do IV exército panzer alemão, juntamente com forças romenas de avançar sobre Estalinegrado falhou.

Se o VI exército tivesse tentado romper a bolsa, investindo para sudoeste, eventualmente teria efectuado a junção como o IV Panzer, mas Hitler recusou tal possibilidade. Mas mesmo que Hitler tivesse autorizado a retirada, na verdade o 6º exército não tinha combustível para se deslocar sequer 20km.

A 10 de Janeiro, com a frente segura e certos de que os alemães não teriam capacidade para romper o cerco, as forças soviéticas lançam um ultimatum ao 6º exército exigindo a rendição das forças alemãs.
Von Paulus recusou liminarmente a possibilidade de rendição, pois embora soubesse que a situação do 6º exército era desesperada, era também óbvio que ao exigir grandes efectivos soviéticos para submeter o 6º exército, estaria a negar forças aos soviéticos, que estes necessitavam para avançar na direcção do Mar de Azov, onde poderiam isolar as forças alemãs que retiravam do Causaso.
Situação táctica no inicio de Fevereiro, antes do assalto final soviético contra as posições alemãs na bolsa de Estalinegrado


Mapa alemão do sector mais a leste da bolsa, defendodo pela 3.Div. Inf.Mot.


A ofensiva final das forças soviéticas

A ofensiva final das forças soviéticas, para destruir a bolsa de Estalinegrado divide-se em duas etapas. A primeira etapa começou a 9 de Janeiro e incidiu com maior vigor sobre o aeroporto de Pitomnik, que era o principal ponto de apoio das forças alemãs. O aeroporto deixou na prática de ser utilizado a 15 de Janeiro de 1943 perante o aproximar das forças soviéticas. Na madrugada de 16 de Janeiro, uns poucos Me-109 que ali se encontravam, foram transferidos para o aeroporto mais pequeno de Gumrak. A defesa final do aeroporto de Pitomnik, foi feita por unidades mecanizadas alemãs, que por falta de combustível tiveram que combater a pé, tendo abandonado os seus veículos.
O avanço soviético era no entanto imparável e a falta de armamento anti-tanque do lado alemão fazia com que o pânico se apoderasse das forças alemãs à vista dos tanques T-34.
Redução da frente defensiva: As forças soviéticas aproximam-se do principal aeroporto que abastece a bolsa

A evacuação do aeroporto e do hospital de campanha que estava ali instalado foi feita na maior confusão e muitos dos feridos tiveram que ser abandonados. Os feridos que ainda se podiam movimentar, abandonaram o local pelos seus próprios meios. Muito material foi abandonado. Aviões de transporte Fw.200 Condor foram destruídos por não haver combustível para os fazer voar

Com a queda do aeroporto de Pitomnik, a 16 de Janeiro de 1943, todos os homens do VI exército alemão ficam com a certeza absoluta de que já não serão socorridos por nenhuma das forças blindadas alemãs que tentaram quebrar o cerco do lado de fora da bolsa de Estalinegrado. A distância entre as forças alemãs fora da bolsa e as forças cercadas é cada vez maior

A 2ª etapa do ataque final por sua vez começou a 20 de Janeiro liderada pelo 65º exército soviético e mais uma vez, o objectivo principal era o de capturar o último aeroporto da bolsa alemã, Gumrak.

A 20 de Janeiro forças alemãs ficam apenas dependentes de um único aeroporto(Gumrak), mas à medida que avançam as forças soviéticas, Gumrak cairá cortando o único efectivo leio de ligação com o exterior
Os alemães não são capazes de defender Gumrak, que fica sob o fogo de barragens contínuas de Katyushas e uma informação do VI exército para os comandos fora da bolsa, refere que o aeroporto de Gumrak ficará inoperacional a partir do dia 22 de Janeiro.
Os últimos meios aéreos, passarão então a utilizar o aeródromo de emergência de Stalingradsky, que entretanto tinha sido construído pelos alemães, mas Stalingradsky não tem capacidade para receber aeronaves de maior porte como os aviões de transporte Junkers Ju.52 e apenas meia dúzia de aeronaves pousará no aeródromo até que ele seja também tomado pelos soviéticos.

Os alemães feridos, que se encontravam em Gumrak, mais uma vez arrastam-se pela estrada para fugir dos russos que avançam, mas os soldados soviéticos não mostraram qualquer piedade para com os feridos. Todos os feridos alemães serão mortos. Sumariamente fuzilados ou pura e simplesmente esmagados pelas lagartas dos T-34 ou do KV-1. Os russos não serão nisto diferentes dos alemães nos períodos anteriores e posteriores da guerra.

Nesse mesmo dia da tomada do último aeroporto, 22 de Janeiro, o VI exército recebe uma mensagem de Hitler afirmando:
«A rendição está fora de questão. As tropas devem lutar até ao fim. Se possível, defendam a Fortaleza reduzida com tropas ainda em estado de combater. A bravura e a tenacidade da Fortaleza forneceram-nos a oportunidade para estabelecer uma nova frente e lançar contra-ataques. Desse modo, o Sexto Exército realizou a sua histórica contribuição para a maior passagem da história alemã».

Era a sentença de morte.

À medida que as forças soviéticas avançavam, deixava de haver qualquer organização alemã digna desse nome, além do mais porque as forças combatentes estaavam completamente destroçadas. A outrora poderosa 14ª Divisão Panzer não contava sequer com 80 homens e não tinha um único veículo ou arma pesada.

A 26 de Janeiro as forças soviéticas entram em contacto com os redutos que tinham conseguido manter-se na margem esquerda do Volga e dividem em duas bolsas os resistentes alemães.
A 25 de Janeiro unidades alemãs sem munições e sem forma de combater começam a render-se às forças soviéticas e a 26 de Janeiro os tanques soviéticos, agora sem qualquer problema com a aviação alemã, avançam rapidamente até ao Volga, cortando em dois a área ocupada pelas forças alemãs.

A 30 de Janeiro, num discurso comemorativo da chegada de Hitler ao poder, que foi captado por rádio pelos soldados alemãs cercados, o ministro da propaganda Goebbels, atingiu o cúmulo do mau gosto, ao comparar de forma macabra, os soldados de Estalinegrado - aos quais não havia sido dada ordem de rendição - aos combatentes da batalha de Termópilas na Grécia antiga.
Nesse mesmo dia, Hitler promove Von Paulus a Marechal de Campo, numa clara alusão ao facto de nunca na História um Marechal de Campo alemão ter sido capturado com vida.

Tinha deixado de haver razão para lutar e o próprio Marechal Paulus, que se encontrava doente com disenteria não tinha qualquer vontade para combater e mesmo que a tivesse não tinha homens e mesmo que os tivesse, não tinham armas e mesmo que as tivessem não tinham munições nem combustível.

A batalha de Estalinegrado tinha chegado ao fim.
A 31 de Janeiro, no dia seguinte ao da sua promoção, Von Paulus aceita as condições de rendição soviéticas e a 2 de Fevereiro a cidade rende-se incondicionalmente, sendo Von Paulus e os sobreviventes rotos esfomeados do 6º exército alemão aprisionados.

Sacrifício útil ?
Se para muitos o sacrificio do VI exército em Estalinegrado foi uma batalha sem sentido entre Hitler e Estaline, outros afirmam que sem a resistência do VI exército, as forças alemãs que retiravam do Cáucaso, também teriam ficado cercadas, porque a ofensiva soviética não teve força suficiente para atingir o Mar Negro, exactamente porque grande parte delas se encontravam a combater em Estalinegrado.

Estalinegrado marca claramente um ponto de viragem na II guerra mundial, porque quando ainda em 30 de Janeiro, Hitler se referiu em discurso a Estalinegrado, ele já não falou na consolidação e expansão do III Reich.

As palavras de Hitler, permitem concluir que até o máximo dirigente da Alemanha tinha percebido sabia que após a derrota em Estalinegrado a Alemanha já não lutava pela vitória, mas sim pela sobrevivência.