Area Militar temas de analise


Marinha

Últimos artigos de análise


Queda de Berlim


Anexação da Crimeia


Invasão de Goa


Operação Barbarossa


Rearmamento venezuelano


Os caças do FX-2

Voltar à página anterior (parte II)

Os sistemas de defesa e as armas do São Paulo

A França vendeu ao Brasil o São Paulo por um preço de 12 milhões de dolares (€ 10 milhões a preços do fim de 2005), mas não contou com nenhum tipo de arma. Compete assim à marinha brasileira equipar o São Paulo de forma a transformar o porta-aviões num navio com o valor militar que decorre da operação de aeronaves armadas de combate (Skyhawk) mas também com armas que permitam a sua defesa, nomeadamente contra ataques aéreos.

O São Paulo, estava inicialmente equipado (aquando do seu lançamento) com oito canhões Creusot-Loire de 100mm, mas durante os anos 80, os navios foram alterados para receber misseis anti-aéreos Crotale.naval, juntamente com o pequeno sistema de misseis anti-aéreos Matra SADRAL (misseis Mistral). os misseis Crotale(EDIR), tinham emprego multiplo e capacidade para engajarem misseis anti-navio.Os sistemas SADRAL (lançadores sextuplos) tinham uma missão complementar e um alcance ligeiramente inferior.

Neste momento no entanto, para considerar a integração do São Paulo na esquadra brasileira, e para manter o São Paulo ao nível do que se espera venha a ser o padrão, já definido pelo programa ModFrag das fragatas da classe Niteroi, os sistemas de armas que fazem mais sentido no São Paulo parecem ser aqueles que já estão instalados nas Niteroi.

Lançador Albatros: Misseis Aspide
- 2000 e maior capacidade de defesa.

Logo, a solução mais lógica, sería a instalação de dois lançadores octuplos Albatros equipados com o missil ASPIDE-2000 (um em cada bordo do navio), bem assim como dois ou quatro canhões anti-aéreos Bofors Trinity, que têm na marinha do Brasil a função de Sistema de Armas de Defesa Aproximada ou (Close In Weapon System) CIWS.

Estes dois tipos de arma, permitiriam ao navio uma maior capacidade de defesa contra ataques aéreos, e contra ataques provenientes de mísseis anti-navio do tipo do Exocet ou do Harpoon.


Finalmente, e para que este tipo de armamento possa ser utilizado, será necessário substituir os directores de tiro DRBC-32B, por exemplo pelo mesmo equipamento que está utilizado a bordo das fragatas Niterói, o ALENIA RNT-30X.

Os restantes radares, de navegação e os radares 3D DRBI-10 de altimetria para controlo de trafego aéreo, continuam, pelo menos em principio a ter capacidade para fazer aquilo que foram pensados, ou seja, pesquisar a área em torno do São Paulo e gerir e apoiar a aproximação e gestão do trafego de aeronaves em volta do porta-aviões.

A integração destes sistemas onde for possivel, com o sistema de combate que já estava instalado a bordo do Minas Gerais, terá que ser feita de uma forma ou de outra. Ou com o recurso aos actuais radares de pesquisa aérea, ou se necessário, recorrendo a um novo radar de pesquisa aérea.


A título de conclusão, o São Paulo ainda pode vir a ser um equipamento com elevado valor militar, nomeadamente no cenário da América Latina. A utilização deste navio, juntamente com fragatas da classe Niteroi, e submarinos, permite a constituição de um grupo de combate com capacidade acima do que quer que seja que qualquer país a sul do equador lhe pode opor. No entanto, essas alterações, modernizações e adições não podem esperar muito mais tempo, sob pena de o são Paulo se transformar num elefante branco, por razões politicas.

Também é necessário admitir, por óbvio, que o São Paulo, com a actual estrutura e sem alterações radicais, nunca estará à altura de marinhas do hemisfério norte, mesmo possuindo um navio almirante ocm o tamanho e capacidade do A-12, porque este está equipado com equipamentos que não são de primeira linha.

A possibilidade de alterações politicas a nivel governamental alterarem o posicionamento estratégico da marinha brasileira, pode no entanto ser mais debilitante para o São Paulo que qualquer falta de verbas.

Aguardemos portanto serenamente os desenvolvimentos que seguramente virão.

(c) areamilitar.net 2005



Título: A utilidade e função do porta-aviões São Paulo (última actualização: 04.12.2005)
Autor: Paulo Mendonça
Referências: Janes F.Ships / Encic.P.Aviões / Outras refs.


- Página 1->Antecedentes da aquisição - Página 2->o «novo» Porta-aviões da marinha brasileira - Página 3->Os sistemas de defesa e as armas do São Paulo

MENU

[Pag. 1]
Antecedentes da aquisição
[Pag. 2]
o «novo» Porta-aviões da marinha brasileira
3
Os sistemas de defesa e as armas do São Paulo