Area Militar temas de analise


Tecnologia

Últimos artigos de análise


Queda de Berlim


Anexação da Crimeia


Invasão de Goa


Operação Barbarossa


Rearmamento venezuelano


Os caças do FX-2

A primeira metade do século XX

A realização no Rio de Janeiro de mais uma LAAD, chama-nos à atenção para o que parece estar a ser o inicio de uma possível corrida aos armamentos no continente. A presente situação, que parece ser despoletada pelas recentes aquisições de armas por parte de Venezuela, é interessante porque constitui-se numa alteração considerável no estudo dos equilibrios de poder entre os países do continente sul americano, onde as competições se têm restringido aos três países do cone sul, Argentina, Brasil e Chile.

O continente sul americano é, desde o inicio do século XX um daqueles em que menos se nota a pressão das grandes industrias de armamento mundiais.
Uma das razões para isso, tem a ver com a chamada Doutrina Monroe, segundo a qual os Estados Unidos consideram que todo o continente americano, desde o Canadá à Patagónia, é um território que aquele país considera ser de sua responsabilidade, e que por isso deve estar sob influência do governo de Washington, protegendo assim o continente de potenciais intervenções externas, nomeadamente europeias.

Esta doutrina foi especialmente notada durante o período que antecedeu a II Guerra Mundial, em que os Estados Unidos consideraram sua área de interesse todo o continente, estendendo um anel de segurança, que abrangia até as ilhas portuguesas dos Açores e de Cabo Verde, estas últimas por se encontraram relativamente próximo do continente americano, onde este mais se aproxima de África.

A doutrina Monroe, foi reforçada durante a segunda metade do século XX com o Pacto do Rio, ou TIAR Trata-se de um pacto de assistência mútua, em que os vários países do continente se comprometem a apoiar qualquer dos outros em caso de ataque a algum deles, no que inicialmente era uma espécie da tratado do atlântico para os países do continente americano.

A relativa fraqueza económica dos principais intervenientes levou a que as forças armadas dos países da América do Sul, e da América Latina em geral ficassem praticamente na dependência de materiais e equipamentos militares americanos, que foram a seguir ao fim da guerra, destino preferencial para equipamentos de segunda linha e excedentes das forças americanas.

No entanto, o domínio político sobre o continente, foi disputado durante a primeira metade do século XX entre americanos e britânicos, os quais mantiveram até meados do século muitas das redes de influência nas estruturas militares da América Latina, que tinham estabelecido ao longo do século XIX.

Minas Geraes
Couraçado Minas Gerais: O inicio da mais conhecida e cara corrida às armas entre países da América do Sul, ocorrida durante as duas primeiras décadas do século XX.

Na primeira metade do século, a Grã Bretanha vende ao Brasil dois couraçados, no que foi o inicio da primeira clara corrida aos armamentos entre as principais potências sul americanas. A aquisição pelo Brasil dos dois couraçados da classe Minas Gerais, levou à resposta da Argentina com os dois couraçados da classe Rivadavia de construção americana e à construção na Grã Bretanha para a marinha chilena de dois couraçados da classe Almirante Latorre (dos quais apenas um seria de facto entregue).

A primeira metade do século XX, foi ainda marcada pela violenta guerra do Chaco, entre a Bolívia e o Paraguai (em que o Paraguai utiliza pela primeira vez veículos blindados num conflito sul americano) e na guerra entre o Peru e o Equador nos anos 40, em que os peruanos utilizam modernos veículos blindados de fabrico Checo - ver ficha do blindado  PzKpfw 38(t), embora a sua utilidade não pereça ter sido significativa.

A II Guerra Mundial, e o facto de praticamente todos os países do continente terem aderido aos aliados por pressão americana - juntamente com a doutrina de contenção da expansão do comunismo que se seguiu - condicionou grandemente as aquisições de armamentos nos anos  que se seguiram ao conflito mundial, as quais se limitaram praticamente a equipamentos americanos excedentes da II Guerra Mundial.



Título: LAAD 2007 e a Corrida às armas na América Latina (última actualização: 21.04.2007)
Autor: Luis Carlos Gomes + P.Mendonça
Referências:


- Página 1->A primeira metade do século XX - Página 2->Do pós guerra aos anos 70 - Página 3->Anos 80 e 90 - Página 4->A partir de 2000 - Página 5->Principais expositores - Página 6->Principais clientes

MENU

1
A primeira metade do século XX
[Pag. 2]
Do pós guerra aos anos 70
[Pag. 3]
Anos 80 e 90
[Pag. 4]
A partir de 2000
[Pag. 5]
Principais expositores
[Pag. 6]
Principais clientes