visitar Portugal Diário

Região: Portugal
Tema: Força Aérea

Os comentários aqui colocados são produzidos pelos leitores desta página, e não têm qualquer relação com o orgão de comunicação que produziu a notícia.
Força Aérea quer comprar aviões Falcon

21.01.2005
A ideia é substituir os Falcon 50 por outros mais modernos. Aparelhos servem para transportar ministros e comitivas de Estado. Compra pode custar cerca de 75 milhões de euros A Força Aérea Portuguesa quer substituir os aviões Falcon 50 por aparelhos mais «capazes e de alcance mais adequado», soube o PortugalDiário junto de fonte militar. Uma das alternativas propostas pelo Estado-Maior é a substituição pelo Falcon 900EX, um avião da mesma família dos que Portugal já possui, mas mais recente. Foi, aliás, este aparelho que há duas semanas Morais Sarmento alugou para viajar para S. Tomé e Príncipe. Só que no polémico trajecto o ministro alugou o aparelho, o Estado pagou. Foram gastos mais de 60 mil euros. A opção do Falcon 900X pode custar às Finanças públicas cerca de 75 milhões de euros para substituir os três aparelhos que actualmente são usados no transporte de altas entidades governamentais. Equipado com três motores, o 900EX tem capacidade para 19 passageiros e dois tripulantes ou para fazer o transporte de dez feridos. De acordo com a Força Aérea, este aparelho «proporciona a melhor relação custo/desempenho». Numa opção ainda mais cara, a Força Aérea propõe o Falcon 7X, da fabricante francesa Dassault. Transporta até 16 pessoas e, tal como o anterior, é equipado com três motores. Cada Falcon 7X custa mais de 30 milhões de euros. A mais barata das propostas aponta para o Embraer Legacy. Avião projectado para satisfazer as exigências dos mundos empresarial e governamental, leva dez passageiros e dois tripulantes. O preço de cada unidade pode exceder os 15 milhões de euros. Este aparelho é produzido pela Embraer, a empresa que faz parte do consórcio que participou na privatização da Oficinas Gerais de Material Aeronáutico (OGMA). O PortugalDiário sabe que o Estado-Maior da Força Aérea aconselhou o ministro da Defesa, Paulo Portas, a renovar os Falcon devido às «limitações da actual frota de transportes especiais da Força Aérea face às crescentes solicitações colocadas às altas entidades do Estado». Além da substituição simples dos Falcon 50, foi ainda feita uma proposta para que as Forças Armadas portuguesas adquiram aviões comerciais «mais apropriados ao transporte de comitivas de Estado». Para este efeito, a sugestão apresentada ao ministro aponta para o Airbus A310-300 que seria transformado e comprado em segunda mão. Apesar de já usado, cada aparelho destes pode custar até 68 milhões de euros. Tem capacidade para transportar até 214 passageiros. Contactado pelo PortugalDiário, o gabinete do ministro da Defesa e do Mar refere que «a aquisição deste equipamento não é, para já, uma prioridade». 24-1-2005


Mais noticias da imprensa:

Canhão português pode reescrever história da Austrália
Portugal não precisa de submarinos
Fiscais dos submarinos com subsídios cortados
Coisas politico-militares que se passam aqui ao lado
Brigada Mecanizada bloqueada a sul do Tejo
Exército recebe as primeiras Viaturas Blindadas de Rodas 8x8 PANDUR II
99,7 milhões para modernizar cinco P-3C Orion
Submarinos vão duplicar o défice
Exército pronto a receber viaturas blindadas novas
Soldado português morre no Afeganistão
Incidente com EH-101 em São Jorge (Açores)
Portugal e Uruguai assinam acordo de Defesa



A página “Recortes de Imprensa” é uma página de edição livre pelos utilizadores registados no Areamilitar.net. Não sendo o seu conteúdo verificado antes de publicação. Pelas suas características, poderá em alguns casos, ocorrer a publicação de matéria ou matérias que possam eventualmente ser objecto de “Direitos de Autor” em algum país.
Esclarece-se que a página, está elaborada em conformidade com o Art. 107, capítulo I, título XVII da legislação dos Estados Unidos da América, país onde se encontram alojadas as páginas e textos do Areamilitar.net.
Em conformidade com o disposto naquele artigo, esta página, destina-se a permitir a livre discussão sobre o tema (disponibilizando para o efeito uma caixa de comentários), não apresenta qualquer mensagem comercial, e respeita a origem da notícia referindo não só o autor, mas disponibilizando ligações para o artigo original. Além disso, não é permitida a publicação de qualquer notícia que não esteja disponível livremente na Internet à data da publicação.

Sendo a página de recortes da imprensa, produzida num espirito de "Boa Fé", poderão no entanto e eventualmente, ter lugar em algumas circunstâncias casos de violação inadvertida de direitos de autor. Neste caso e se houver razão para considerar que algum dos recorte de imprensa não está em conformidade com a legislação acima referida, deve ser contactado o areamilitar.net, através da caixa de mensagens disponível na primeira página, expondo claramente as razões e argumentos que permitam concluir sobre a eventualidade da ocorrência de qualquer violação de direitos. Caso a reclamação seja julgada procedente, o areamilitar.net, efectuará as necessárias alterações dentro dos condicionalismos técnicos impostos pelo sistema de gestão do site.