visitar Folha de São Paulo

Região: Brasil
Tema: Força Aérea

Os comentários aqui colocados são produzidos pelos leitores desta página, e não têm qualquer relação com o orgão de comunicação que produziu a notícia.
Brasil: Governo pede $895 milhões para comprar aviões de transporte

05.04.2005
Depois da compra do Aerolula, o governo pediu autorização ao Senado para assinar uma operação de crédito de US$ 698,730 milhões com o consórcio de bancos formados pelo Banco Bilbao Viscaya Argentaria, pelo BNP Paribas e pelo Banco Santander Central Hispano para a compra de aeronaves e modernização de outros oito aviões. Os integrantes da CAE (Comissão de Assuntos Econômicos) do Senado aprovaram o pedido e o tema vai com urgência para votação no plenário da Casa. O dinheiro, conforme informou o Ministério da Defesa, será liberado quando houver recursos orçamentários suficientes. Os 12 aviões Búfalo, em operação desde a década de 70 e previstos para deixar de operar no final deste ano, serão substituídos por outros 12 aviões C 295, da empresa espanhola EADS CASA. O Comando da Aeronáutica esclareceu aos senadores que essas aeronaves ainda não são produzidas no Brasil e terão a mesma destinação dos Búfalo: levar material às guarnições das Forças Armadas e auxiliar com alimentos e remédios populações carentes em áreas inóspitas do país. Os outros oito aviões que serão modernizados fazem a patrulha do espaço aéreo brasileiro e executam missões de ataque a alvos submarinos e de superfície. Além disso, pelas informações do Comando da Aeronáutica, os aviões cumprirão missões de busca e salvamento. A operação de crédito terá prazo de 120 meses, juros de 4,75% ao ano e será paga em 20 parcelas semestrais. O empréstimo terá garantia da Compañía Española de Seguros de Crédito a la Exportación.


Mais noticias da imprensa:

Lula e Sarkozy acordam parceria militar
Ministro justifica opções brasileiras por submarinos
Marinha Brasileira e IHGSP promovem cerimônia sobre 200 Anos
Marinha do Brasil adquire novas aeronaves
Diálogo e harmonização de doutrinas marcam fim da reunião da CPLP
Submarino nuclear do Brasil terá reator da Marinha brasileira
Marinha mostra maquetes do SNB
Exército mantém mentalidade golpista
Generais atacam concessão da patente de coronel a Lamarca
Militares vão patrulhar ruas do Rio de Janeiro
Políticos brasileiros defendem postura dura em relação à Bolivia
Governo brasileiro pretende retirar 780 do Líbano até domingo



A página “Recortes de Imprensa” é uma página de edição livre pelos utilizadores registados no Areamilitar.net. Não sendo o seu conteúdo verificado antes de publicação. Pelas suas características, poderá em alguns casos, ocorrer a publicação de matéria ou matérias que possam eventualmente ser objecto de “Direitos de Autor” em algum país.
Esclarece-se que a página, está elaborada em conformidade com o Art. 107, capítulo I, título XVII da legislação dos Estados Unidos da América, país onde se encontram alojadas as páginas e textos do Areamilitar.net.
Em conformidade com o disposto naquele artigo, esta página, destina-se a permitir a livre discussão sobre o tema (disponibilizando para o efeito uma caixa de comentários), não apresenta qualquer mensagem comercial, e respeita a origem da notícia referindo não só o autor, mas disponibilizando ligações para o artigo original. Além disso, não é permitida a publicação de qualquer notícia que não esteja disponível livremente na Internet à data da publicação.

Sendo a página de recortes da imprensa, produzida num espirito de "Boa Fé", poderão no entanto e eventualmente, ter lugar em algumas circunstâncias casos de violação inadvertida de direitos de autor. Neste caso e se houver razão para considerar que algum dos recorte de imprensa não está em conformidade com a legislação acima referida, deve ser contactado o areamilitar.net, através da caixa de mensagens disponível na primeira página, expondo claramente as razões e argumentos que permitam concluir sobre a eventualidade da ocorrência de qualquer violação de direitos. Caso a reclamação seja julgada procedente, o areamilitar.net, efectuará as necessárias alterações dentro dos condicionalismos técnicos impostos pelo sistema de gestão do site.