visitar Isto é

Região: Brasil
Tema: Força Aérea

Os comentários aqui colocados são produzidos pelos leitores desta página, e não têm qualquer relação com o orgão de comunicação que produziu a notícia.
Brasil: Condoleeza Rice, volta a tentar vender F-16

22.04.2005
No final deste mês, quando estará em visita oficial ao Brasil, a secretária de Estado dos EUA, Condoleezza Rice, tocará em pontos sensíveis na relação bilateral, como a cooperação com a Agência Internacional de Energia Atômica (Aiea) – leia-se temores em relação ao processo brasileiro de enriquecimento de urânio –, preocupação com a segurança regional (Venezuela e Colômbia) e alternativas ao programa F/X de reaparelhamento da Força Aérea Brasileira (FAB). Esses pontos já foram levantados pelas autoridades de Washington em março, por ocasião da visita oficial ao Brasil do secretário de Defesa dos EUA, Donald Rumsfeld. A novidade agora é uma nova proposta dos americanos para atender à necessidade da FAB de substituir os obsoletos caças Mirage IIIEBR, sediados em Anápolis (GO), cujo período de vida útil se encerra este ano. Em fevereiro, depois de dois anos de marchas e contramarchas, o governo federal encerrou oficialmente a licitação para a compra de 12 caças supersônicos, um projeto orçado em cerca de US$ 800 milhões. Naquela licitação, estavam no páreo o francês Mirage 2000-5Br, do consórcio Dassault/Embraer; o russo Sukhoi Su-35, da Rosoboronexport, o anglo-sueco JAS-39 Gripen, da Saab/British Aerospace e o americano F-16 Falcon Fighter, da Lockheed Martin. O fim da licitação, no entanto, se deixou o governo brasileiro menos infenso a pressões de poderosos lobbies da indústria bélica internacional, colocou um grave problema operacional: o que fazer entre o período da aposentadoria dos Mirage IIIEBR e a aquisição dos novos caças supersônicos? A nova proposta americana oferece 12 unidades do F-16 usadas, atualmente operando na Holanda, pelo valor de US$ 300 milhões. Nessa oferta, estão incluídos três aviões-cisterna (de reabastecimento em vôo) KC-135 – na verdade, um Boeing 707 adaptado. Mas, ao mesmo tempo que os americanos, os países dos antigos concorrentes também começam a mexer os pauzinhos. A Saab/BAe, por exemplo, propôs alugar 12 caças JAS-39 Gripen pelo valor de US$ 80 milhões por ano. Se a aquisição dos novos caças demorar cinco anos, a FAB pagaria por esse aluguel US$ 400 milhões, a metade do preço estimado para a compra de aviões novos. Já a França está oferecendo 12 caças Mirage 2000-5 que estavam operando na Armée d’Air, a Força Aérea Francesa, por US$ 180 milhões. Novela – Iniciada em julho de 2001 pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso, a licitação do projeto F/X deixou o Brasil à mercê de poderosos lobbies internacionais num campo extremamente fechado, o das compras de produtos bélicos. A grande discussão se travou entre os defensores de benefícios meramente comerciais que o País poderia obter através dessa aquisição – no jargão econômico, os chamados off-set – e os defensores da transferência de tecnologia ultra-sofisticada. As propostas do consórcio Embraer/Dassault e da Rosoboronexport/Avibrás prometiam essa transferência, incluindo os códigos-fonte. O mesmo não acontecia com as propostas anglo-sueca e americana. No caso do F-16, havia um agravante: os EUA não garantiam o fornecimento do míssil ar-ar inteligente AIM-120 Amraam, o que castraria o poder interceptador desses caças. =================== F-16 Falcon Fighter (ver nota 1): os EUA querem vender ao Brasil 12 caças F-16 de segunda mão (ver nota 2), que hoje operam na Holanda, por US$ 300 milhões, sem garantia de que o míssil AIM-120 Amraam venha junto Sem as amarras da licitação do F/X – que o governo, por lei, não é obrigado a fazer –, o Brasil, em tese, pode comprar um modelo mais moderno e negociar a transferência tecnológica. Uma das alternativas para o período de transição seria a utilização dos caças supersônicos F-5 que estão sendo modernizados pela Embraer. De qualquer forma, se o governo optar por comprar aviões usados, mas ainda com razoável tempo de vida útil, poderá enterrar de vez o sonho de entrar na era da tecnologia supersônica. ====== (Nota 1) Trata-se do F-16 Fighting Falcon e não Falcon Fighter. (Nota 2) A noticia acima, indica que os Estados Unidos querem vender ao Brasil, 12 caças F-16 usados. No entanto, não refere que, por aquele preço, trata-se de F-16MLU, um kit, que coloca o F-16 ao nível dos caças mais modernos existentes no mundo, e que é utilizado pelas Forças Aereas dos países da NATO/OTAN, como Holanda. Bélgica, Noruega, Portugal, Dinamarca, e pelos próprios Estados Unidos. Notas da responsabilidade do Areamilitar.net


Mais noticias da imprensa:

Lula e Sarkozy acordam parceria militar
Ministro justifica opções brasileiras por submarinos
Marinha Brasileira e IHGSP promovem cerimônia sobre 200 Anos
Marinha do Brasil adquire novas aeronaves
Diálogo e harmonização de doutrinas marcam fim da reunião da CPLP
Submarino nuclear do Brasil terá reator da Marinha brasileira
Marinha mostra maquetes do SNB
Exército mantém mentalidade golpista
Generais atacam concessão da patente de coronel a Lamarca
Militares vão patrulhar ruas do Rio de Janeiro
Políticos brasileiros defendem postura dura em relação à Bolivia
Governo brasileiro pretende retirar 780 do Líbano até domingo



A página “Recortes de Imprensa” é uma página de edição livre pelos utilizadores registados no Areamilitar.net. Não sendo o seu conteúdo verificado antes de publicação. Pelas suas características, poderá em alguns casos, ocorrer a publicação de matéria ou matérias que possam eventualmente ser objecto de “Direitos de Autor” em algum país.
Esclarece-se que a página, está elaborada em conformidade com o Art. 107, capítulo I, título XVII da legislação dos Estados Unidos da América, país onde se encontram alojadas as páginas e textos do Areamilitar.net.
Em conformidade com o disposto naquele artigo, esta página, destina-se a permitir a livre discussão sobre o tema (disponibilizando para o efeito uma caixa de comentários), não apresenta qualquer mensagem comercial, e respeita a origem da notícia referindo não só o autor, mas disponibilizando ligações para o artigo original. Além disso, não é permitida a publicação de qualquer notícia que não esteja disponível livremente na Internet à data da publicação.

Sendo a página de recortes da imprensa, produzida num espirito de "Boa Fé", poderão no entanto e eventualmente, ter lugar em algumas circunstâncias casos de violação inadvertida de direitos de autor. Neste caso e se houver razão para considerar que algum dos recorte de imprensa não está em conformidade com a legislação acima referida, deve ser contactado o areamilitar.net, através da caixa de mensagens disponível na primeira página, expondo claramente as razões e argumentos que permitam concluir sobre a eventualidade da ocorrência de qualquer violação de direitos. Caso a reclamação seja julgada procedente, o areamilitar.net, efectuará as necessárias alterações dentro dos condicionalismos técnicos impostos pelo sistema de gestão do site.