visitar O Globo

Região: Brasil
Tema: Exército

Os comentários aqui colocados são produzidos pelos leitores desta página, e não têm qualquer relação com o orgão de comunicação que produziu a notícia.
Exército começa a reavaliar operação em favelas do Rio

11.03.2006
RIO - O Comando Militar do Leste está reavaliando a operação nas favelas do Rio de Janeiro. Segundo o Exército, o setor de inteligência da instituição está analisando novas denúncias sobre o roubo dos dez fuzis e uma pistola roubados de um quartel em São Cristóvão. O objetivo é, a partir deste sábado, direcionar a operação do Exército para os locais onde é maior a possibilidade de recuperar as armas roubadas.

Há nove dias os militares buscam as armas roubadas em favelas do Rio. Neste sábado, o Morro da Providência, no Centro do Rio, amanheceu aparentemente tranqüilo, mas a madrugada foi marcada por fortes confrontos. Uma criança de 12 anos foi baleada na noite de sexta-feira. Genilson dos Santos Batista foi baleado no antebraço esquerdo e levado ao Hospital Souza Aguiar por uma caminhonete do Exército. Ele foi operado e seu estado é estável.

Soldados e traficantes já tinham participado de um intenso tiroteio na manhã desta sexta-feira na Providência, que deixou três feridos, entre eles um bebê. Cerca de 200 militares estão na favela, onde foram apreendidos dez quilos de cocaína e farta munição. Um helicóptero das Forças Armadas fez sobrevôos no local.

A governadora Rosinha Garotinho comentou num programa de televisão as ações do Exército. Ela destacou que o governo estadual apóia a iniciativa, mas mostrou desconfiança:

- Causa-me estranheza que agora se realize uma ação deste porte por causa do roubo ao quartel - afirmou.

Os transtornos com a ocupação do Exército nas favelas chegaram às crianças. Com medo de tiroteios, mães não estão permitindo que os filhos desçam para freqüentar a escola. Um levantamento feito nas favelas da Mangueira, Providência e Fazendinha mostra que pelo menos 90 colégios das regiões ocupadas pelo Exército estão com número reduzido de alunos nas salas de aula.

Nesta sexta-feira, a Justiça indeferiu a ação cautelar (que é preparatória de ação civil pública) que pedia a suspensão da operação do Exército, além de extinguir o processo. Na decisão, o juiz afirmou que a ação cautelar não era o instrumento adequado para o caso.

O Ministério Público Federal do Rio de Janeiro informou que vai estudar se vai recorrer da decisão judicial ou se vai ingressar logo com a ação civil pública, o que deve ocorrer na segunda ou na terça-feira. Os procuradores continuam com a convicção de que pode haver arbitrariedade na ação do Exército.


Link directo para a notícia


Mais noticias da imprensa:

Lula e Sarkozy acordam parceria militar
Ministro justifica opções brasileiras por submarinos
Marinha Brasileira e IHGSP promovem cerimônia sobre 200 Anos
Marinha do Brasil adquire novas aeronaves
Diálogo e harmonização de doutrinas marcam fim da reunião da CPLP
Submarino nuclear do Brasil terá reator da Marinha brasileira
Marinha mostra maquetes do SNB
Exército mantém mentalidade golpista
Generais atacam concessão da patente de coronel a Lamarca
Militares vão patrulhar ruas do Rio de Janeiro
Políticos brasileiros defendem postura dura em relação à Bolivia
Governo brasileiro pretende retirar 780 do Líbano até domingo



A página “Recortes de Imprensa” é uma página de edição livre pelos utilizadores registados no Areamilitar.net. Não sendo o seu conteúdo verificado antes de publicação. Pelas suas características, poderá em alguns casos, ocorrer a publicação de matéria ou matérias que possam eventualmente ser objecto de “Direitos de Autor” em algum país.
Esclarece-se que a página, está elaborada em conformidade com o Art. 107, capítulo I, título XVII da legislação dos Estados Unidos da América, país onde se encontram alojadas as páginas e textos do Areamilitar.net.
Em conformidade com o disposto naquele artigo, esta página, destina-se a permitir a livre discussão sobre o tema (disponibilizando para o efeito uma caixa de comentários), não apresenta qualquer mensagem comercial, e respeita a origem da notícia referindo não só o autor, mas disponibilizando ligações para o artigo original. Além disso, não é permitida a publicação de qualquer notícia que não esteja disponível livremente na Internet à data da publicação.

Sendo a página de recortes da imprensa, produzida num espirito de "Boa Fé", poderão no entanto e eventualmente, ter lugar em algumas circunstâncias casos de violação inadvertida de direitos de autor. Neste caso e se houver razão para considerar que algum dos recorte de imprensa não está em conformidade com a legislação acima referida, deve ser contactado o areamilitar.net, através da caixa de mensagens disponível na primeira página, expondo claramente as razões e argumentos que permitam concluir sobre a eventualidade da ocorrência de qualquer violação de direitos. Caso a reclamação seja julgada procedente, o areamilitar.net, efectuará as necessárias alterações dentro dos condicionalismos técnicos impostos pelo sistema de gestão do site.