visitar Folha de São Paulo

Região: Brasil
Tema: Sociedade / Política

Os comentários aqui colocados são produzidos pelos leitores desta página, e não têm qualquer relação com o orgão de comunicação que produziu a notícia.
Brasil: Novo Ministro da Defesa

14.03.2006
O ex-ministro da Educação e ex-presidente do PT Tarso Genro é o nome mais forte para substituir o vice-presidente da República, José Alencar, no Ministério da Defesa. Alencar deve deixar o cargo até a próxima quinta-feira, antes de embarcar para uma viagem de dez dias à China. A volta está marcada para o dia 26, a cinco dias do prazo de desincompatibilização.

A nomeação de Tarso resolveria dois problemas do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de uma só vez. Ele teria um homem de sua confiança pessoal numa pasta já naturalmente difícil e agora num momento delicado.

Alencar decidiu se desincompatibilizar da Defesa para concorrer nas eleições de outubro, mesmo sem saber exatamente para qual cargo. Ele ainda pode manter o lugar de vice na chapa de Lula à reeleição, mas é possível que o presidente o ajude a viabilizar a candidatura ao Senado por Minas.

Ao trocar o PL pelo inexpressivo PRB, Alencar dificultou a manutenção da chapa com Lula. A vice é um trunfo para atrair o PSB, que decidiu que o ministro Ciro Gomes (Integração Nacional) deveria se desincompatibilizar para "ficar disponível".

Lula teme concorrer numa aliança apenas do PT com o PC do B, o que lhe daria pouco tempo de propaganda na TV e poucos palanques regionais. Preferia o PMDB, mas pode se contentar com o PSB.

Dois coelhos

Tarso Genro é considerado ideal para a Defesa por ser um homem culto, que tem acesso direto a Lula e que não criaria problemas numa área sensível como a militar.

Ao mesmo tempo, Lula acomodaria Tarso, que ficou sem nada ao sair do Ministério da Educação para presidir o PT, mas acabou cedendo a vaga na chapa do Campo Majoritário para o deputado Ricardo Berzoini (SP).

Tarso também era cotado para a coordenação do programa de governo da campanha eleitoral de Lula, mas acabou descartado.

Ele é crítico da política econômica e falou precipitadamente em uma nova "Carta ao Povo Brasileiro", em defesa de uma guinada nos juros, por exemplo. Além disso, é adversário direto do ex-ministro e deputado cassado José Dirceu no PT, e Lula não quer problemas com Dirceu. Na Defesa, Tarso estaria acomodado, mas fora do eixo político.

Fogo cruzado

O Exército está sob fogo cruzado, depois que dez fuzis e uma pistola foram roubados de um quartel no Rio e tropas subiram o morro para pressionar traficantes a devolver as armas. Simultaneamente, o comandante da Força, general Francisco Albuquerque, está sendo convocado pela Câmara e pela Comissão de Ética Pública para explicar um "carteiraço" para embarcar num vôo.

Antes de viajar para Londres, na segunda-feira passada, Lula ouviu um relato de José Alencar sobre o incidente do vôo, segundo o qual o general enviou um sargento com mais de uma hora de antecedência para fazer o check-in dele e de sua mulher e que a culpa era da TAM, que aplicou "overbooking" (vendeu mais passagens do que cadeiras disponíveis). Disse que não mandou parar a aeronave.

Lula aceitou a versão mas, conforme a Folha antecipou na terça-feira passada, o funcionário Daniel Bezerra, da Infraero, que estava de plantão na torre de comando de Viracopos quando houve o incidente, contou em detalhes, oficialmente, que o avião voltou ao pátio por ordem de "uma alta patente militar" --o general.

Do Chile, onde esteve parte da semana passada, Albuquerque voltou a telefonar para Alencar para reclamar duramente da imprensa, que continua divulgando detalhes de como o avião teve de retornar à pista, abrir a porta e trocar dois passageiros pelo casal Albuquerque. Estava irritado até com as cartas de leitores.

A Folha apurou que Lula poderia aproveitar a troca na Defesa para mudar os comandantes das três Forças num eventual segundo mandato. Na Aeronáutica, havia um movimento para promover o seu comandante, o brigadeiro Luiz Carlos Bueno, à Defesa. O Planalto nem quis ouvir falar.


Link directo para a notícia


Mais noticias da imprensa:

Lula e Sarkozy acordam parceria militar
Ministro justifica opções brasileiras por submarinos
Marinha Brasileira e IHGSP promovem cerimônia sobre 200 Anos
Marinha do Brasil adquire novas aeronaves
Diálogo e harmonização de doutrinas marcam fim da reunião da CPLP
Submarino nuclear do Brasil terá reator da Marinha brasileira
Marinha mostra maquetes do SNB
Exército mantém mentalidade golpista
Generais atacam concessão da patente de coronel a Lamarca
Militares vão patrulhar ruas do Rio de Janeiro
Políticos brasileiros defendem postura dura em relação à Bolivia
Governo brasileiro pretende retirar 780 do Líbano até domingo



A página “Recortes de Imprensa” é uma página de edição livre pelos utilizadores registados no Areamilitar.net. Não sendo o seu conteúdo verificado antes de publicação. Pelas suas características, poderá em alguns casos, ocorrer a publicação de matéria ou matérias que possam eventualmente ser objecto de “Direitos de Autor” em algum país.
Esclarece-se que a página, está elaborada em conformidade com o Art. 107, capítulo I, título XVII da legislação dos Estados Unidos da América, país onde se encontram alojadas as páginas e textos do Areamilitar.net.
Em conformidade com o disposto naquele artigo, esta página, destina-se a permitir a livre discussão sobre o tema (disponibilizando para o efeito uma caixa de comentários), não apresenta qualquer mensagem comercial, e respeita a origem da notícia referindo não só o autor, mas disponibilizando ligações para o artigo original. Além disso, não é permitida a publicação de qualquer notícia que não esteja disponível livremente na Internet à data da publicação.

Sendo a página de recortes da imprensa, produzida num espirito de "Boa Fé", poderão no entanto e eventualmente, ter lugar em algumas circunstâncias casos de violação inadvertida de direitos de autor. Neste caso e se houver razão para considerar que algum dos recorte de imprensa não está em conformidade com a legislação acima referida, deve ser contactado o areamilitar.net, através da caixa de mensagens disponível na primeira página, expondo claramente as razões e argumentos que permitam concluir sobre a eventualidade da ocorrência de qualquer violação de direitos. Caso a reclamação seja julgada procedente, o areamilitar.net, efectuará as necessárias alterações dentro dos condicionalismos técnicos impostos pelo sistema de gestão do site.