visitar Reuters

Região: América do Norte
Tema: Sociedade / Política

Os comentários aqui colocados são produzidos pelos leitores desta página, e não têm qualquer relação com o orgão de comunicação que produziu a notícia.
Clinton na corrida à presidencia americana

21.01.2007
NOVA YORK, 20 de janeiro (Reuters) - A senadora democrata e ex-primeira-dama dos Estados Unidos, Hillary Rodham Clinton, entrou neste sábado na corrida presidencial de 2008, oficialmente dando início a uma acirrada disputa pela nomeação do seu partido.

`Estou nessa. E estou nessa para ganhar`, escreveu Hillary em seu site, que diz `Hillary para Presidente`.

Há muito se esperava que a senadora pelo Estado de Nova York, que está em seu segundo mandato, e ex-primeira-dama dos EUA anunciasse que tentaria se tornar a primeira mulher a ser presidente do país. Ela é considerada um dos nomes mais fortes entre os que disputam a candidatura entre os democratas à Casa Branca.

A expectativa é que o senador, Barack Obama, de Illinois, seja o principal concorrente dela à candidatura democrata à Presidência, e a campanha dele pode torná-lo o primeiro negro a presidir os EUA.

A candidatura de Obama entusiasmou os democratas que buscavam uma alternativa a Hillary, que seria, segundo algumas avaliações, excessivamente polarizadora para derrotar o candidato republicano no próximo ano.

`Estou formando uma comissão exploratória presidencial. Não estou apenas dando início a uma campanha... Estou dando início a uma conversa com você, com os EUA`, disse ela em mensagem de vídeo exibida em seu site.

Uma comissão exploratória é o primeiro passo em direção à candidatura oficial e permite que ela levante fundos de campanha e contrate pessoal.

`Depois de seis anos de George Bush, está na hora de renovar a promessa dos EUA`, disse ela.

O presidente George W. Bush foi eleito para um segundo mandato de quatro anos em 2004.

A esposa do ex-presidente Bill Clinton fez história com a sua candidatura ao senado dos EUA por Nova York em 2000, tornando-se a primeira ex-primeira-dama a conquistar uma das posições políticas de mais poder naquela nação.

Hillary, 59, foi reeleita com grande folga para o segundo mandato no senado em novembro.

FAZENDO PONTARIA EM BUSH

Em sua nota escrita exibida no site, Hillary imediatamente escolheu como alvo o que chamou de `seis anos de fracassos do governo Bush`.

`Nunca tive medo de me posicionar em relação àquilo em que acredito ou enfrentar a máquina republicana`, afirma. `Apenas um novo presidente conseguirá desfazer os erros de Bush e restaurar a nossa esperança e otimismo`, prossegue.

Ele disse que vai lançar online uma série de conversas com eleitores, a partir da segunda-feira.

Antes de declarar oficialmente a sua candidatura para o Senado dos EUA, em 2000, ela viajou por todo o Estado de Nova York, em uma `tour para ouvir` eleitores.

Antes dos dois mandatos do seu marido na Casa Branca, Hillary era uma advogada de sucesso e defendia os direitos das crianças, foi membro do Conselho de diversas corporações e entidades de interesse público. Participou ativamente de diversas causas, da redução da mortalidade infantil à assistência legal para os pobres.

`Vamos conversar sobre como colocar fim de uma maneira certa à guerra do Iraque e restaurar o respeito pelos EUA no mundo`, disse na mensagem gravada em vídeo.

Ela mencionou diversas questões de que sua campanha vai tratar --como energia, saúde e aposentadoria.

Hillary trabalhou na comissão da Câmara de Representantes sobre o impeachment do presidente Richard Nixon.

Ela estudou na faculdade de direito da Universidade de Yale, onde conheceu Bill Clinton.


Link directo para a notícia


Mais noticias da imprensa:

Clinton na corrida à presidencia americana



A página “Recortes de Imprensa” é uma página de edição livre pelos utilizadores registados no Areamilitar.net. Não sendo o seu conteúdo verificado antes de publicação. Pelas suas características, poderá em alguns casos, ocorrer a publicação de matéria ou matérias que possam eventualmente ser objecto de “Direitos de Autor” em algum país.
Esclarece-se que a página, está elaborada em conformidade com o Art. 107, capítulo I, título XVII da legislação dos Estados Unidos da América, país onde se encontram alojadas as páginas e textos do Areamilitar.net.
Em conformidade com o disposto naquele artigo, esta página, destina-se a permitir a livre discussão sobre o tema (disponibilizando para o efeito uma caixa de comentários), não apresenta qualquer mensagem comercial, e respeita a origem da notícia referindo não só o autor, mas disponibilizando ligações para o artigo original. Além disso, não é permitida a publicação de qualquer notícia que não esteja disponível livremente na Internet à data da publicação.

Sendo a página de recortes da imprensa, produzida num espirito de "Boa Fé", poderão no entanto e eventualmente, ter lugar em algumas circunstâncias casos de violação inadvertida de direitos de autor. Neste caso e se houver razão para considerar que algum dos recorte de imprensa não está em conformidade com a legislação acima referida, deve ser contactado o areamilitar.net, através da caixa de mensagens disponível na primeira página, expondo claramente as razões e argumentos que permitam concluir sobre a eventualidade da ocorrência de qualquer violação de direitos. Caso a reclamação seja julgada procedente, o areamilitar.net, efectuará as necessárias alterações dentro dos condicionalismos técnicos impostos pelo sistema de gestão do site.