visitar Angop

Região: Angola
Tema: Exército

Os comentários aqui colocados são produzidos pelos leitores desta página, e não têm qualquer relação com o orgão de comunicação que produziu a notícia.
Angola vai contribuir para a formação do exército da R.D.Congo

24.02.2007
Luanda, 25/02 - O ministro da Defesa, Kundi Paihama, afirmou sábado, em Luanda, que Angola vai contribuir na criação do novo Exército congolês unificado.

O titular da pasta da Defesa, que falava à imprensa aquando da despedida do seu homólogo belga, Andre Flahaut, acrescentou que Angola não vai fiscalizar a formação do Exército congolês, mas participar na avaliação da sua criação.

`Vamos participar apenas com a nossa experiência e sugestões, dando contributos válidos naquilo que for preciso`, sublinhou.

Instado sobre se uma possível instabilidade na RDC poderá causar consequências negativas para Angola, o ministro respondeu que, apesar de acauteladas, essas situações acarretam sempre alguns prejuízos aos países vizinhos.

`Uma possível situação de instabilidade na RDC, devido a longa fronteira comum, dava origem a casos de emigração e garimpo ilegal e outras situações menos abonatórias para o nosso país`, disse, referindo que o governo tem já acauteladas todas essas possibilidades.

Kundi Paihama referiu que Angola e a RDC partilham a mesma fronteira, na qual o país ocupa uma posição geo-política importante na vida do Congo Democrático, por isso a Bélgica pretende traçar estratégias para uma intervenção conjunta na pacificação do Congo.

Informou ter abordado com a delegação belga a questão política vivida na República Democrática do Congo e o apoio prestado por Angola na estabilização deste país dos Grandes Lagos.

Quanto às relações Angola e Bélgica no domínio militar, o governante classificou-as `excelentes`, garantindo que serão reforçadas com acordos a serem celebrados nos próximos dias.

`Já identificamos as áreas de cooperação, agora só temos que seguir os parâmetros legais, isso é remeter aos órgãos superiores, começando pelo Presidente da República, Conselho de Ministros e depois a Assembleia Nacional`, esclareceu.


Link directo para a notícia


Mais noticias da imprensa:

Comando das Forças Armadas melhora sistemas de comunicação
Avião da Força Aérea despenha-se e causa dois mortos
Vice-ministro da Defesa destaca cooperação militar na CPLP
RDCongo: Deputados confirmam ocupação angolana junto fronteira
Embaixada desmente acordo para envio de força policial ao Zimbabwe
Forças Armadas continuam a apostar na formação
Angola vai contribuir para a formação do exército da R.D.Congo
Zâmbia/Angola: Peritos preparam encontro ministerial de Defesa e Segurança
EUA garantem reforço à capacidade operacional das F.A.Angolanas
Angola e Zimbabwe analisam cooperação técnico-militar
Assinado acordo de Cessar-fogo para Cabinda
Fuzileiros angolanos e portugueses iniciam exercicios conjuntos



A página “Recortes de Imprensa” é uma página de edição livre pelos utilizadores registados no Areamilitar.net. Não sendo o seu conteúdo verificado antes de publicação. Pelas suas características, poderá em alguns casos, ocorrer a publicação de matéria ou matérias que possam eventualmente ser objecto de “Direitos de Autor” em algum país.
Esclarece-se que a página, está elaborada em conformidade com o Art. 107, capítulo I, título XVII da legislação dos Estados Unidos da América, país onde se encontram alojadas as páginas e textos do Areamilitar.net.
Em conformidade com o disposto naquele artigo, esta página, destina-se a permitir a livre discussão sobre o tema (disponibilizando para o efeito uma caixa de comentários), não apresenta qualquer mensagem comercial, e respeita a origem da notícia referindo não só o autor, mas disponibilizando ligações para o artigo original. Além disso, não é permitida a publicação de qualquer notícia que não esteja disponível livremente na Internet à data da publicação.

Sendo a página de recortes da imprensa, produzida num espirito de "Boa Fé", poderão no entanto e eventualmente, ter lugar em algumas circunstâncias casos de violação inadvertida de direitos de autor. Neste caso e se houver razão para considerar que algum dos recorte de imprensa não está em conformidade com a legislação acima referida, deve ser contactado o areamilitar.net, através da caixa de mensagens disponível na primeira página, expondo claramente as razões e argumentos que permitam concluir sobre a eventualidade da ocorrência de qualquer violação de direitos. Caso a reclamação seja julgada procedente, o areamilitar.net, efectuará as necessárias alterações dentro dos condicionalismos técnicos impostos pelo sistema de gestão do site.