visitar Diario de Noticias

Região: Portugal
Tema: Força Aérea

Os comentários aqui colocados são produzidos pelos leitores desta página, e não têm qualquer relação com o orgão de comunicação que produziu a notícia.
Portugal pode receber aviões de Hugo Chávez

16.04.2007
A empresa aeronáutica espanhola CASA propôs antecipar a entrega, a Portugal, dos aviões de transporte táctico C-295 cuja venda à Venezuela foi bloqueada pelos EUA, mas o processo pode ser inviabilizado pelo impacto que tem no défice público, revelaram ao DN fontes militares e civis ligadas ao processo.

O dossier está a ser analisado pelo ministro da Defesa, admitindo algumas fontes que a decisão seja tomada nas próximas semanas. A Força Aérea vê a oferta como um bom negócio: a EADS prometeu-lhe formar de graça 16 pilotos - o dobro dos oito contratualizados - e instalar gratuitamente os equipamentos que carecem do aval prévio dos EUA.

Segundo o contrato de compra dos C-295, assinado a 17 de Fevereiro de 2006, Portugal começa a receber os 12 aviões em Junho de 2008, à razão de um por cada mês e meio (com o último a chegar em Janeiro de 2010). Agora há a possibilidade de o primeiro ser entregue já em Fevereiro do próximo ano - sem haver alteração nos prazos de pagamento definidos (o último em Janeiro de 2010).

O problema é que, ao receber mais três aviões do que o previsto em 2008 e à luz das regras contabilísticas do Eurostat, Portugal tem de inscrever os respectivos montantes nas suas contas públicas - com implicações directas na sua correcção. Saber se esses valores adicionais furam o tecto do défice orçamental acordado com Bruxelas para 2008 (2,6%) é o que permitirá ao Governo aceitar a proposta do fabricante.

Na origem da proposta da CASA, que integra o consórcio europeu EADS, está o fracasso da venda (em 2006) de vários C-295 - oito segundo a empresa, 12 segundo a imprensa especializada - à Venezuela. Os aviões usam tecnologia (muita classificada como secreta) dos EUA, que se opôs à sua transferência para o país de Hugo Chávez (que já anunciou a compra de Antonov russos). O concurso para venda de 145 aviões à Força Aérea e ao Exército americanos, do qual a EADS não quis ser excluída, também ajudou a esse desfecho, admitiram algumas fontes.


Link directo para a notícia


Mais noticias da imprensa:

Canhão português pode reescrever história da Austrália
Portugal não precisa de submarinos
Fiscais dos submarinos com subsídios cortados
Coisas politico-militares que se passam aqui ao lado
Brigada Mecanizada bloqueada a sul do Tejo
Exército recebe as primeiras Viaturas Blindadas de Rodas 8x8 PANDUR II
99,7 milhões para modernizar cinco P-3C Orion
Submarinos vão duplicar o défice
Exército pronto a receber viaturas blindadas novas
Soldado português morre no Afeganistão
Incidente com EH-101 em São Jorge (Açores)
Portugal e Uruguai assinam acordo de Defesa



A página “Recortes de Imprensa” é uma página de edição livre pelos utilizadores registados no Areamilitar.net. Não sendo o seu conteúdo verificado antes de publicação. Pelas suas características, poderá em alguns casos, ocorrer a publicação de matéria ou matérias que possam eventualmente ser objecto de “Direitos de Autor” em algum país.
Esclarece-se que a página, está elaborada em conformidade com o Art. 107, capítulo I, título XVII da legislação dos Estados Unidos da América, país onde se encontram alojadas as páginas e textos do Areamilitar.net.
Em conformidade com o disposto naquele artigo, esta página, destina-se a permitir a livre discussão sobre o tema (disponibilizando para o efeito uma caixa de comentários), não apresenta qualquer mensagem comercial, e respeita a origem da notícia referindo não só o autor, mas disponibilizando ligações para o artigo original. Além disso, não é permitida a publicação de qualquer notícia que não esteja disponível livremente na Internet à data da publicação.

Sendo a página de recortes da imprensa, produzida num espirito de "Boa Fé", poderão no entanto e eventualmente, ter lugar em algumas circunstâncias casos de violação inadvertida de direitos de autor. Neste caso e se houver razão para considerar que algum dos recorte de imprensa não está em conformidade com a legislação acima referida, deve ser contactado o areamilitar.net, através da caixa de mensagens disponível na primeira página, expondo claramente as razões e argumentos que permitam concluir sobre a eventualidade da ocorrência de qualquer violação de direitos. Caso a reclamação seja julgada procedente, o areamilitar.net, efectuará as necessárias alterações dentro dos condicionalismos técnicos impostos pelo sistema de gestão do site.