visitar Jornal de Noticias

Região: Ásia central
Tema: Exército

Os comentários aqui colocados são produzidos pelos leitores desta página, e não têm qualquer relação com o orgão de comunicação que produziu a notícia.
Atentado mata seis soldados canadianos e intérprete afegão

05.07.2007
Seis soldados canadianos e um intérprete afegão morreram hoje no Sul do Afeganistão, vítimas de um dos ataques com explosivos mais mortíferos contra as forças aliadas.

O ataque ocorreu numa altura em que um alemão está desaparecido há uma semana, receando-se que tenha sido raptado por desconhecidos.

Esta explosão de um engenho armadilhado à passagem de um veículo do exército canadiano ocorreu a cerca de 20 quilómetros a sudoeste de Kandahar, precisou o general canadiano Tim Grant. iolentos confrontos ocorreram nos últimos dias nesta região.

Trata-se do atentado com explosivo mais mortífero para a ISAF e para as forças canadianas, desde 8 de Abril quando seis soldados canadianos morreram na província de Kandahar, berço do movimento dos talibãs.

O contingente canadiano é depois do norte-americano o que pagou o tributo mais pesado com a morte de 66 soldados desde a queda do regime dos talibãs no final de 2001.

Desde o início do ano, morreram 105 soldados da Força internacional de Assistência à Segurança (ISAF) e da coligação sob comando norte-americano, a maioria em operação, contra 191 em 2006.

A ISAF conta com cerca de 37.000 soldados de 37 países, nomeadamente Portugal, que tem cerca de 150 militares portugueses às ordens desta força internacional da Aliança Atlântica.

As autoridades alemãs anunciaram, por seu lado, que um alemão estava desaparecido desde quinta-feira no Afeganistão e admitiam que ele tivesse sido raptado.

Responsáveis afegãos precisaram que ele foi raptado com o seu intérprete afegão, que é também o seu motorista, na província de Farah (ocidente), limítrofe das de Nimroz e de Helmand (Sul) que os traficantes de droga e os talibãs controlam em grande parte.

O ministro da defesa alemão, Franz-Josef Jung, sublinhou que o homem era `funcionário de uma empresa`, sem dar mais pormenores.

A edição digital do semanário Der Spiegel afirmou, sem citar fontes, que criminosos estariam atrás do rapto que ainda não foi reivindicado.

Numerosos raptos para pagamento de resgate tiveram lugar desde o início do ano. Dois humanitários franceses e os seus três guias afegãos foram raptados em Abril pelos talibãs na província de Nimroz antes de serem libertados.


Link directo para a notícia


Mais noticias da imprensa:

Índia prepara-se para lançar a sua primeira missão à Lua
Atentado mata seis soldados canadianos e intérprete afegão



A página “Recortes de Imprensa” é uma página de edição livre pelos utilizadores registados no Areamilitar.net. Não sendo o seu conteúdo verificado antes de publicação. Pelas suas características, poderá em alguns casos, ocorrer a publicação de matéria ou matérias que possam eventualmente ser objecto de “Direitos de Autor” em algum país.
Esclarece-se que a página, está elaborada em conformidade com o Art. 107, capítulo I, título XVII da legislação dos Estados Unidos da América, país onde se encontram alojadas as páginas e textos do Areamilitar.net.
Em conformidade com o disposto naquele artigo, esta página, destina-se a permitir a livre discussão sobre o tema (disponibilizando para o efeito uma caixa de comentários), não apresenta qualquer mensagem comercial, e respeita a origem da notícia referindo não só o autor, mas disponibilizando ligações para o artigo original. Além disso, não é permitida a publicação de qualquer notícia que não esteja disponível livremente na Internet à data da publicação.

Sendo a página de recortes da imprensa, produzida num espirito de "Boa Fé", poderão no entanto e eventualmente, ter lugar em algumas circunstâncias casos de violação inadvertida de direitos de autor. Neste caso e se houver razão para considerar que algum dos recorte de imprensa não está em conformidade com a legislação acima referida, deve ser contactado o areamilitar.net, através da caixa de mensagens disponível na primeira página, expondo claramente as razões e argumentos que permitam concluir sobre a eventualidade da ocorrência de qualquer violação de direitos. Caso a reclamação seja julgada procedente, o areamilitar.net, efectuará as necessárias alterações dentro dos condicionalismos técnicos impostos pelo sistema de gestão do site.