visitar Imprensa Europeia

Região: Portugal
Tema: Exército

Os comentários aqui colocados são produzidos pelos leitores desta página, e não têm qualquer relação com o orgão de comunicação que produziu a notícia.
Soldado português morre no Afeganistão

24.11.2007
Um soldado português morreu esta madrugada no Afeganistão, vítima de um acidente de viação, a Sul de Cabul, indicou o Ministério da Defesa Nacional.



O soldado-paraquedista Sérgio Miguel Vidal Oliveira Pedrosa perdeu a vida num acidente de viação, que ocorreu durante a deslocação de uma coluna de viaturas militares da Força Nacional Destacada, a Sul de Cabul.



O militar foi vitima do capotamento da viatura em que viajava, durante uma patrulha nocturna nos arredores de Cabul, cerca das 3:00 no Afeganistão (22:30 de sexta-feira em Lisboa). Segundo descrição recolhida pela Lusa junto de fontes militares, o paraquedista Sérgio Pedrosa estava na vigia do blindado Humvee quando a viatura `foi à berma e capotou`.



O Ministério da Defesa Nacional indicou que não se verificaram feridos entre os militares portugueses. Ainda segundo o ministério, decorrem agora os procedimentos para a trasladação do corpo do militar para Portugal.



Quarto incidente com o contingente português no Afeganistão



A morte do soldado-paraquedista nos arredores de Cabul é o quarto incidente com o contingente português no Afeganistão, desde 2005, e dos quais resultaram mais uma vítima mortal e quatro feridos.



O primeiro problema com os militares portugueses destacados no Afeganistão ocorreu a 18 de Novembro de 2005, quando durante uma patrulha nos arredores de Cabul um militar morreu e outro ficou gravemente ferido na explosão de uma bomba que atingiu a viatura em que seguiam.



A 25 de Maio de 2007, um militar luso ficou ligeiramente ferido durante uma emboscada, perto de Kandahar, quando estava integrado numa patrulha a pé. Um mês depois, também em Kandahar - importante bastião dos taliban -, dois militares voltam a sofrer ferimentos ligeiros.



Portugueses de regresso dentro de um ano



Portugal mantém no Afeganistão 162 militares portugueses às ordens da força internacional da NATO, que comanda naquele país a maior operação em seis décadas de existência da organização.



No mês passado, o Governo anunciou uma redução drástica da presença portuguesa no Afeganistão, que conta naquele país mais de dois anos de missão. Já a partir de Agosto do próximo ano, regressam a Portugal os cerca de 160 militares, permanecendo apenas um avião C-130 e 15 militares que formam uma equipa para dar formação ao exército afegão. Até ao final do ano, manter-se-ão no país tropas paraquedistas e de apoio de serviços e uma equipa de controlo aéreo táctico da Força Aérea.


Link directo para a notícia


Mais noticias da imprensa:

Canhão português pode reescrever história da Austrália
Portugal não precisa de submarinos
Fiscais dos submarinos com subsídios cortados
Coisas politico-militares que se passam aqui ao lado
Brigada Mecanizada bloqueada a sul do Tejo
Exército recebe as primeiras Viaturas Blindadas de Rodas 8x8 PANDUR II
99,7 milhões para modernizar cinco P-3C Orion
Submarinos vão duplicar o défice
Exército pronto a receber viaturas blindadas novas
Soldado português morre no Afeganistão
Incidente com EH-101 em São Jorge (Açores)
Portugal e Uruguai assinam acordo de Defesa



A página “Recortes de Imprensa” é uma página de edição livre pelos utilizadores registados no Areamilitar.net. Não sendo o seu conteúdo verificado antes de publicação. Pelas suas características, poderá em alguns casos, ocorrer a publicação de matéria ou matérias que possam eventualmente ser objecto de “Direitos de Autor” em algum país.
Esclarece-se que a página, está elaborada em conformidade com o Art. 107, capítulo I, título XVII da legislação dos Estados Unidos da América, país onde se encontram alojadas as páginas e textos do Areamilitar.net.
Em conformidade com o disposto naquele artigo, esta página, destina-se a permitir a livre discussão sobre o tema (disponibilizando para o efeito uma caixa de comentários), não apresenta qualquer mensagem comercial, e respeita a origem da notícia referindo não só o autor, mas disponibilizando ligações para o artigo original. Além disso, não é permitida a publicação de qualquer notícia que não esteja disponível livremente na Internet à data da publicação.

Sendo a página de recortes da imprensa, produzida num espirito de "Boa Fé", poderão no entanto e eventualmente, ter lugar em algumas circunstâncias casos de violação inadvertida de direitos de autor. Neste caso e se houver razão para considerar que algum dos recorte de imprensa não está em conformidade com a legislação acima referida, deve ser contactado o areamilitar.net, através da caixa de mensagens disponível na primeira página, expondo claramente as razões e argumentos que permitam concluir sobre a eventualidade da ocorrência de qualquer violação de direitos. Caso a reclamação seja julgada procedente, o areamilitar.net, efectuará as necessárias alterações dentro dos condicionalismos técnicos impostos pelo sistema de gestão do site.