visitar Correio da Manhã

Região: Portugal
Tema: Força Aérea

Os comentários aqui colocados são produzidos pelos leitores desta página, e não têm qualquer relação com o orgão de comunicação que produziu a notícia.
99,7 milhões para modernizar cinco P-3C Orion

21.01.2008
A modernização das cinco aeronaves de vigilância marítima P-3C Orion adquiridas por Portugal à Holanda vai custar 99,7 milhões de euros. O Ministério da Defesa fechou o contrato no início deste mês com a empresa norte-americana Lockheed Martin, que como contrapartida irá apoiar empresas portuguesas no desenvolvimento dos subsistemas dos UAV (Veículos Aéreos não Tripulados). Projectos no valor de cerca de 147 milhões de euros.

Segundo um comunicado da Lockheed, o primeiro dos cinco aparelhos será entregue a Portugal em finais de 2009 e o programa de modernização envolve equipamentos de guerra electrónica, anti-submarina e anti-superfície. O objectivo é dotar as aeronaves de aviónicos (toda a electrónica a bordo dos aviões) e de sistemas de navegação actualizados e capacitá-las para operar tanto em terra como no mar, com comunicações seguras a qualquer distância, transmissão de imagem em tempo real e utilização de armamento inteligente.

Provenientes da Marinha holandesa, os cinco P-3C Orion irão substituir os seis P-3P colocados na Base do Montijo. Actualmente, segundo disse ao CM a Força Aérea, apenas dois estão operacionais.

O programa de contrapartidas deste contrato prevê projectos no valor de cerca de 147 milhões de euros, segundo avançou ao CM o Ministério da Defesa. A OGMA – Indústria Aeronáutica de Portugal – será uma das empresas envolvidas.

SAIBA MAIS

2006 foi o ano em que foi aprovado o actual regime jurídico das contrapartidas. O decreto-lei foi aprovado a 1 de Junho de 2006 em Conselho de Ministros.

3,1 mil milhões de euros era o valor de contrapartidas em investimento estrangeiro garantido por Portugal no âmbito do reequipamento das Forças Armadas, apurado em Maio de 2007.

CONCEITO

As contrapartidas são as compensações acordadas entre o Estado e um fornecedor de equipamentos de defesa e devem ser susceptíveis de contribuir para o desenvolvimento industrial da Economia. É esta a definição aprovada em Conselho de Ministros.

COMISSÃO

A Comissão Permanente de Contrapartidas tem por missão definir e implementar a política nacional em matéria de contrapartidas .

LOCKHEED MARTIN

Empresa norte-americana, sediada em Bethesda, que fabrica os P-3C Orion e emprega 140 mil pessoas.

NOTAS SOLTAS

MISSÕES

A gama de aeronaves P-3C, fabricada pela Lockheed Martin, é utilizada em missões de vigilância pela Marinha norte-americana e por mais 15 países aliados. Em Portugal, os seis aviões P-3P Orion têm por missão a vigilância do espaço aéreo, terrestre e marítimo.

‘AWAKS PORTUGUESES’

Os cinco Lockheed P-3P Orion, que serão modernizados, são tradicionalmente conhecidos como os ‘Awaks portugueses’. É a Esquadra 601 - ‘Lobos’ –, com cerca de 150 militares, que os utiliza.

FORÇA AÉREA

No site da Força Aérea há um link directo para vagas em regime de contrato. As previsões para 2008 apontam para 834 vagas para vários sectores, excepção feita para pilotos e navegadores. Desde Dezembro de 2007 que os interessados podem concorrer pela net.


Link directo para a notícia


Mais noticias da imprensa:

Canhão português pode reescrever história da Austrália
Portugal não precisa de submarinos
Fiscais dos submarinos com subsídios cortados
Coisas politico-militares que se passam aqui ao lado
Brigada Mecanizada bloqueada a sul do Tejo
Exército recebe as primeiras Viaturas Blindadas de Rodas 8x8 PANDUR II
99,7 milhões para modernizar cinco P-3C Orion
Submarinos vão duplicar o défice
Exército pronto a receber viaturas blindadas novas
Soldado português morre no Afeganistão
Incidente com EH-101 em São Jorge (Açores)
Portugal e Uruguai assinam acordo de Defesa



A página “Recortes de Imprensa” é uma página de edição livre pelos utilizadores registados no Areamilitar.net. Não sendo o seu conteúdo verificado antes de publicação. Pelas suas características, poderá em alguns casos, ocorrer a publicação de matéria ou matérias que possam eventualmente ser objecto de “Direitos de Autor” em algum país.
Esclarece-se que a página, está elaborada em conformidade com o Art. 107, capítulo I, título XVII da legislação dos Estados Unidos da América, país onde se encontram alojadas as páginas e textos do Areamilitar.net.
Em conformidade com o disposto naquele artigo, esta página, destina-se a permitir a livre discussão sobre o tema (disponibilizando para o efeito uma caixa de comentários), não apresenta qualquer mensagem comercial, e respeita a origem da notícia referindo não só o autor, mas disponibilizando ligações para o artigo original. Além disso, não é permitida a publicação de qualquer notícia que não esteja disponível livremente na Internet à data da publicação.

Sendo a página de recortes da imprensa, produzida num espirito de "Boa Fé", poderão no entanto e eventualmente, ter lugar em algumas circunstâncias casos de violação inadvertida de direitos de autor. Neste caso e se houver razão para considerar que algum dos recorte de imprensa não está em conformidade com a legislação acima referida, deve ser contactado o areamilitar.net, através da caixa de mensagens disponível na primeira página, expondo claramente as razões e argumentos que permitam concluir sobre a eventualidade da ocorrência de qualquer violação de direitos. Caso a reclamação seja julgada procedente, o areamilitar.net, efectuará as necessárias alterações dentro dos condicionalismos técnicos impostos pelo sistema de gestão do site.