Exército


Translation to English not responsability of areamilitar.net.
Service is supplied as is and correct interpretation is not guaranteed.
Bombas guiadas para artilharia
Boeing estuda SDB para o exército americano
21.10.2012


Uma mudança fundamental nos conceitos e doutrinas das forças terrestres norte-americanas poderá vir a ocorrer se tiverem sucesso as experiências para o desenvolvimento de uma versão da bomba SDB, lançada a partir de sistemas de artilharia e as tentativas do fabricante Boeing para «vender» a ideia às autoridades militares e políticos norte-americanos.

A bomba voadora inteligente SDB (bomba de pequeno diâmetro, designada GBU-39), é presentemente vista como uma das mais devastadoras armas convencionais do arsenal norte-americano. Pequena e relativamente barata, ela pode ser lançada a partir de aeronaves que voam a mais de 100km de distância dos alvos.
As bombas são lançadas a partir de aeronaves e abrem as suas asas, planando até ao alvo. O alcance da bomba depende da altura a que for lançada.

Agora, técnicos da Boeing estão a estudar uma versão da bomba SDB, que em vez de ser lançada a partir de um avião, é lançada a grande altitude por um foguete.
Quando é atingida a altitude desejada, o foguete solta a bomba e esta procede como no caso da versão lançada a partir de um avião.

Esta possibilidade, permite uma tremenda flexibilidade para as forças no terreno. Além de um alcance insuperável, quem dirige a arma pode determinar o ângulo a que a bomba cai sobre o alvo, o que permite atingir por exemplo a abertura de cavernas ou abrigos, onde se podem abrigar elementos inimigos, algo muito comum em cenários como o Afeganistão.

Uma bomba guiada SDB, dada a sua precisão, pode ter um efeito equivalente a um míssil Tomahawk, mas a um custo que representa apenas uma fração do custo daquele sofisticado e caro sistema.

Para este efeito a Boeing pretende utilizar o foguete de artilharia M26, lançado a partir dos sistemas MLRS e que pode atingir uma altitude de 12,200. A partir daí a bomba guiada opera da mesma forma que quando lançada de avião Lançada a esta altitude, a bomba pode atingir alvos a distâncias de até 100/110km.

Utilidade

Presentemente, os comandantes no terreno têm problemas quando pretendem atingir alvos que estão fora do alcance de peças de artilharia. Nestas condições, quando o alvo está por exemplo, coberto por uma colina ou montanha, como uma gruta com abertura para o lado oposto, a única possibilidade que existe é pedir apoio aéreo.
Esquema que demonstra a vantagem da bomba SDB quando lançada de um foguete

Com a SDB, lançada a partir de um sistema MLRS, os comandantes no terreno ficam independentes da necessidade de pedir apoio aéreo, algo que muitas vezes é complexo e potencialmente perigoso.

A principal vantagem do sistema seria o seu custo, já que o software de controlo foi já desenvolvido e pago pela força aérea, enquanto que os foguetes presentemente ao serviço podem ser adaptados para utilizar a bomba SDB em vez da sua ogiva convencional.

Fim da encomenda

O produto, é visto também como uma forma de a Boeing manter a linha de produção da SDB em funcionamento, quando terminar de entregar a última das 12,300 unidades da SDB que foram encomendadas pelos Estados Unidos, a que se somam cerca de 1,800 unidades adquiridas por países aliados (Israel encomendou 1,000 dessas 1,800).


Últimas noticias sobre este tema

Bombas guiadas para artilharia

Militares americanos preocupados com perda de mão de obra

General Dynamics compra Force Protection

Stryker recebe casco duplo em V

Mais 20 tanques para o Afeganistão

Mais encomendas de MRAP / todo o terreno

Raio Laser no campo de batalha

Três potênciais substitutos do Hummer escolhidos

| Forças Armadas de Angola | Exército Brasileiro | Exército Português | Força Aérea Brasileira | Força Aérea Portuguesa | Marinha do Brasil | Marinha Portuguesa | Forças Armadas de Moçambique | Forças Armadas da Guiné-Bissau | Timor - Sociedade | Forças de defesa de Timor | Brasil | Moçambique | Portugal | Listagem de todas as notícias | Listar todos os navios | Listar todas as aeronaves | Listar armas ligeiras | Listar todos os veículos | Listar todos os mísseis | Listar sistemas de artilharia | Artigos de opinião | Médio Oriente | União Europeia | Europa fora a UE | América do Norte | América do Sul e Caribe | África | Índia e Asia Central | Ásia e Oceânia|
  ---