Marinha


Translation to English not responsability of areamilitar.net.
Service is supplied as is and correct interpretation is not guaranteed.
O X-47B aterrou em porta-aviões
Testes devem continuar até 2018
12.07.2013


Na passada Quarta-feira, ocorreu o que algumas das autoridades militares americanas consideraram ser um marco no futuro da aviação.
Um avião não tripulado do tipo X-47B aterrou no porta-aviões George H.Bush utilizando o sistema de recolha de aeronaves do navio. Este foi mais um marco na história da aviação não tripulada, depois de no dia 17 de Maio de 2013, o primeiro UCAV ter sido catapultado de um porta-aviões, dirigindo-se depois para uma pista em terra.

A aterragem não foi isenta de problemas, já que só ocorreu à terceira tentativa e mesmo assim chegou a estar em risco.

O X-47B é uma aeronave de combate não tripulada com capacidade para transportar até 2000kg de armas ou sistemas eletrónicos com utilização militar.

Apenas dois exemplares foram construidos para demonstração, embora se tenha feito tudo para que as aeronaves de demonstração sejam idênticas às de produção, caso esta venha a ser aceite.
Se vier a ser considerado operacional, não se prevê a sua utilização em combate contra outras aeronaves, mas sim como plataforma para ataque contra outros navios ou para transporte de equipamentos de guerra e vigilância eletrónica, substituindo ou complementando o EA-18G Growler.
O X-47B voa a uma alta velocidade sub-sónica e tem autonomia para voar durante quase 3900km.
A marinha dos Estados Unidos não prevê a utilização de qualquer armamento específico para esta aeronave, sendo em vez disso utilizadas armas que já estão disponíveis.

O X-47B tem capacidade para operar em ambientes de guerra electrónica e os seus sistemas são imunes mesmo à utilização de armas electro-magnéticas. Grande parte da aeronave pode agir e tomar decisões, mas sempre que possível continuará a ser utilizada a decisão de um operador remoto.
Quando aterra no porta-aviões o X-47B é operado remotamente com a utilização de um Joystick.

Em operações de combate, está a ser estudada a possibilidade de utilização conjunta do X-47B e dos caças F-35. O X-47B poderá ser utilizado como radar ativo, em constante ligação encriptada de dados com as restantes aeronaves. O X-47B será assim o olho eletrónico dos caças da marinha, que poderão ficar quase invisíveis sem necessidade de utilizar os seus radares.

No entanto, este tipo de utilização tem sido posto em causa pelos céticos, que afirmam que o X-47B seria alvo da atenção de qualquer força aérea inimiga.
Ainda assim a aeronave continua a ter defensores que lembram que se trata de uma aeronave não tripulada. Pode ser utilizada uma unidade de «backup» para o caso de a primeira ser descoberta. Quando isso acontecer, inevitavelmente terá passado já demasiado tempo e os caças F-35 já terão feito o seu trabalho.

Não se prevê que o programa esteja sequer próximo do fim. A haver alguma decisão deverão demorar vários anos e a meta de 2018 é vista como a menos demorada.

Até lá, ainda terão que ser testados sistemas de combate, integração com outras aeronaves da marinha, e a capacidade de reabastecimento em voo, que poderá aumentar em muito a autonomia operacional da aeronave, que está em menos de 4000km.


Últimas noticias sobre este tema

Caça-submarinos não tripulado

O X-47B aterrou em porta-aviões

Porta-helicopteros começa testes

Porta-aviões Enterprise retirado de serviço

Submarino russo terá estado semanas no golfo do México

Patrulhas rápidos para o golfo

Mais seis Perry fora de serviço

De Patrulha a Fragata

| Forças Armadas de Angola | Exército Brasileiro | Exército Português | Força Aérea Brasileira | Força Aérea Portuguesa | Marinha do Brasil | Marinha Portuguesa | Forças Armadas de Moçambique | Forças Armadas da Guiné-Bissau | Timor - Sociedade | Forças de defesa de Timor | Brasil | Moçambique | Portugal | Listagem de todas as notícias | Listar todos os navios | Listar todas as aeronaves | Listar armas ligeiras | Listar todos os veículos | Listar todos os mísseis | Listar sistemas de artilharia | Artigos de opinião | Médio Oriente | União Europeia | Europa fora a UE | América do Norte | América do Sul e Caribe | África | Índia e Asia Central | Ásia e Oceânia|
  ---