Força Aérea


Translation to English not responsability of areamilitar.net.
Service is supplied as is and correct interpretation is not guaranteed.
FX: Rafale estaria de fora
Dá Gripen, por exclusão de partes (?)
17.12.2013


Notícias vindas a público na sequência da visita ao Brasil do presidente da França, François Hollande, dão conta de que no processo de aquisição de aeronaves de combate para a Força Aérea Brasileira, a proposta da francesa Dassault terá encontrado um obstáculo intransponível, que poderá por em causa a aquisição pelo Brasil do caça Rafale.

Segundo a mesma fonte, a proposta da Dassault é a mais cara de todas, não existindo em contrapartida uma clara vantagem por parte do caça francês, no que respeita a custos de manutenção, rapidez e facilidade de aquisição de peças de reposição, manutenção a longo prazo dos motores e sistemas eletrónicos.

O Brasil adquiriu na década de 1970 cerca de uma vintena de aeronaves Mirage-III. Na altura tratava-se de um dos mais sofisticados caças existentes no mundo, e as suas qualidades resultaram das esmagadoras vitórias aéreas de Israel sobre os caças árabes fornecidos pela União Soviética.

No entanto o processo de substituição desses caças Mirage-III foi sendo continuamente atrasado, até ter chegado o momento em que já não era possível modernizar mais a força. Há alguns anos o Brasil adquiriu aos franceses vários caças Mirage-2000 de uma série já relativamente antiquada, para servirem de caça tampão, evitando que o país perdesse a capacidade dada por caças de combate de alta velocidade.

Em 2009 chegou mesmo a ser anunciada pelo então presidente Lula da Silva, a escolha por parte do Brasil do caça Rafale, o qual estaria relacionado com uma parceria estratégica na área da defesa entreo Brasil e a França.
O Brasil comprou da França submarinos convencionais derivados do modelo Scorpéne e também conseguiu assistência técnica para o fornecimento de sistemas e equipamentos para o futuro submarino nuclear de ataque da marinha do Brasil.

Dilma
Desde que a presidente Dilma chegou ao poder que as aquisições de equipamentos militares passara a estar sujeitas a um novo crivo e a mais restrições. O custo

Em Outubro de 2014 haverá eleições no Brasil e qualquer decisão que o governo tome agora, poderá afetar negativamente a imagem do governo de Dilma, que já tem vindo a enfrentar problemas vários com contestação popular direta e indireta nas ruas, mas que continua a estar na frente das pesquisas eleitorais, com uma intenção de voto entre 41% e 47%.

O calendário eleitoral deverá por isso atrasar a decisão de compra das aeronaves de combate pelo menos até à tomada de posse do novo presidente, que ocorre no primeiro dia de Janeiro de 2015.

Novela FX
As notícias sobre desenvolvimentos no programa FX, nomeadamente a sua segunda versão, têm-se multiplicado, muitas vezes como resultado de rumores sem qualquer substância, pelo que a informação posta a correr poderão não ser mais que um episodio da guerra de informação.

Mas se a notícia sobre o elevado custo do caça francês tiver por trás estudos sérios e decisões com base em fatos comprovados, isto poderá implicar que o vencedor do concurso poderá acabar sendo o caça Sueco Gripen.

Especula-se que a relação entre Washington e Brasilia não é das melhores e que ficou pior depois do cancelamento de uma visita da presidente brasileira aos Estados Unidos em protesto pela revelação de notícias dando conta da espionagem organizada pelos serviços secretos americanos à presidencia brasileira.

Além dos problemas políticos, que se somam à tradicional desconfiança de alguns setores militares brasileiros relativamente aos Estados Unidos, o caça F-18 da Boeing não é seguramente o mais barato, o que, acreditando-se na tese de uma opção baseada no custo de aquisição e custo de operação, seria mais um fator em favor do caça sueco.

FX-3
Toda a interminável procissão de indecisões tem levado muitos observadores a considerar a possibilidade de o programa ser pura e simplesmente cancelado.
A indecisão quase eterna (o programa FX começou ainda com Fernando Henrique Cardoso como presidente) acaba prejudicando a imagem internacional do Brasil.

No caso de cancelamento, a opção poderia passar por uma compra de caças em 2ª mão, que serviriam como «stop gap» durante uma década, até que a situação ficasse mais clara quanto a eventuais novos sistemas de armas no mercado, como o russo Sukhoi T-50 ou até mesmo os caças chineses de 5ª geração.

Há no entanto quem afirme que a Força Aérea Brasileira é por natureza conservadora e não quer entrar em projetos que não têm absoluta garantia de suporte no futuro. Possibilidades como caças Mirage-2000 em segunda mão ou mesmo caças F-16 modernizados não deixam por isso de estar na cabeça de muita gente dentro da FAB.


Últimas noticias sobre este tema

Gripen da FAB: Contrato assinado

Saab Gripen E/F

FX: Rafale estaria de fora

Embraer pode desistir de vender Super Tucano

Novela brasileira do F/X-2

MMRCA indiano agita F/X-2 brasileiro

Rafale para a Índia pode deixar Brasil de fora

RAFALE: Franceses tentam mais uma vez !

| Forças Armadas de Angola | Exército Brasileiro | Exército Português | Força Aérea Brasileira | Força Aérea Portuguesa | Marinha do Brasil | Marinha Portuguesa | Forças Armadas de Moçambique | Forças Armadas da Guiné-Bissau | Timor - Sociedade | Forças de defesa de Timor | Brasil | Moçambique | Portugal | Listagem de todas as notícias | Listar todos os navios | Listar todas as aeronaves | Listar armas ligeiras | Listar todos os veículos | Listar todos os mísseis | Listar sistemas de artilharia | Artigos de opinião | Médio Oriente | União Europeia | Europa fora a UE | América do Norte | América do Sul e Caribe | África | Índia e Asia Central | Ásia e Oceânia|
  ---