Marinha


Translation to English not responsability of areamilitar.net.
Service is supplied as is and correct interpretation is not guaranteed.
Mistral espera um futuro desconhecido
Franceses não sabem o que fazer com o navio
28.10.2014


Continua no «limbo» a situação do primeiro de dois navios porta-helicópteros franceses derivados da classe Mistral e encomendados pela marinha russa.

A França tinha adiado a entrega dos navios até 27 de Outubro, mas a data passou sem que qualquer decisão tivesse sido tomada.
O navio continua pronto, mas o fabricante não o pode entregar sem a autorização do governo francês.
O Vladivostok, de 24.000t de deslocamento máximo, já fez provas de mar e já recebeu uma guarnição russa que aguarda em França para levar o navio para a Rússia.

A imprensa na Rússia, é a única em todo o mundo a divulgar que os navios serão entregues numa cerimónia que decorrerá em Saint Nazaire em meados de Novembro, mas nenhuma confirmação foi produzida por parte das autoridades francesas.
A fonte indicada pela agência russa RIA Novosti, para confirmar a entrega do navio é um alegado representante do Sindicato de trabalhadores do estaleiro francês, que se confirmou nem sequer existir.

Marine Le Pen: A dirigente fascista francesa tem criticado a suspensão da entrega do Vladivostok
França entre a espada e a parede

Entre os aliados da entrega do navio, encontra-se o partido fascista francês «Front Nationale», liderado por Marine Le Pen, uma indefetível defensora do regime russo de Vladimir Putin, que tem acusado o governo socialista de François Hollande de se comportar como um cachorrinho obediente perante as pressões americanas.
As posições da dirigente fascista francesa têm tido grande relevo na imprensa russa.

Para os franceses, as pressões têm sido várias, mas para além dos países de maior dimensão, uma pressão extremamente forte foi feita pela Polónia, país que está em processo de escolha de um sistema de mísseis de defesa anti-aérea e anti-míssil, um contrato que envolverá mais de 5800 milhões de Euros, e é mais valioso que o contrato dos Mistral para a Rússia.
As autoridades polacas, avisaram no final de Setembro, que terão muita dificuldade em considerar a proposta da Thales, perante a sua única concorrente a americana Raytheon.
Embora a linguagem diplomática impedisse afirmações mais clara, a mensagem que passou foi a de que se a França optar por entregar os navios à Rússia, não venderá os mísseis para a Polónia.

251 milhões de multa

Segundo as autoridades francesas, a França não tem um plano B e não sabe literalmente o que fazer com o navio, caso ele não seja entregue. A Rússia já avisou que vai exigir indemnizações, e a imprensa russa tem publicado números fantasiosos sobre o que a França teria que pagar se o navio não for entregue. A verdade é que ainda que o Estado Francês possa apelar para causas de «força maior» para justificar perante os tribunais a não entrega do navio, terá mesmo assim que pagar aos russos uma indenização de 251 milhões de Euros, que é uma fração dos valores que têm sido divulgados na imprensa internacional.

Possibilidade no fim do túnel

Vários observadores em França, têm considerado que é possível que o governo francês acabe mesmo entregando o navio, ainda que com modificações nos sistemas incluidos. A recente retirada de forças russas da fronteira com a Ucrânia (ainda que com a continuação da ocupação de partes daquele território pelo exército russo) poderá ser utilizada como argumento para justificar uma eventual entrega do Vladivostok.

Também foi divulgado por um responsável da DCNS, que ao contrário do que é voz corrente, mesmo que este navio seja entregue isso não implica que os restantes navios venham a ser construido, porque poderá não haver licença de produção o que implica que não haverá transferência de tecnologia nem o previsto grande investimento na formação de técnicos dos estaleiros russos.
Sem essa transferência tecnológica, a Rússia não terá capacidade para produzir mais navios do tipo, adiantaram os responsáveis dos estaleiros franceses.


Últimas noticias sobre este tema

Sem data de entrega

Mistral espera um futuro desconhecido

Royal Navy confirma segundo porta aviões

Submarino espanhol não pode emergir

Espanha: Porta-aviões ao fundo !

Sea Ceptor é novo míssil anti-aéreo

Testando as Malvinas, 30 anos depois

U216 está em projeto na Alemanha

| Forças Armadas de Angola | Exército Brasileiro | Exército Português | Força Aérea Brasileira | Força Aérea Portuguesa | Marinha do Brasil | Marinha Portuguesa | Forças Armadas de Moçambique | Forças Armadas da Guiné-Bissau | Timor - Sociedade | Forças de defesa de Timor | Brasil | Moçambique | Portugal | Listagem de todas as notícias | Listar todos os navios | Listar todas as aeronaves | Listar armas ligeiras | Listar todos os veículos | Listar todos os mísseis | Listar sistemas de artilharia | Artigos de opinião | Médio Oriente | União Europeia | Europa fora a UE | América do Norte | América do Sul e Caribe | África | Índia e Asia Central | Ásia e Oceânia|
  ---