Marinha


Translation to English not responsability of areamilitar.net.
Service is supplied as is and correct interpretation is not guaranteed.
Corvetas para a Guiné Equatorial
Coreia do Sul poderá vender navios do tipo Po Hang
12.11.2010


A Guiné Equatorial, estará a negociar a eventual compra de três corvetas coreanas do tipo Po-Hang, idênticas ao navio que foi afundado pela Coreia do Norte em Maio de 2010.
As corvetas do tipo Po-Hang foram lançadas durante os anos 80 e vão começar a ser retiradas de serviço durante a próxima década.
São navios com um deslocamento máximo de cerca de 1200t e com uma guarnição em volta dos 95 militares, que poderá ser reduzida, caso sejam removidos alguns sistemas de armas.

A Guiné Equatorial, tem vindo a demonstrar interesse na aquisição de navios para garantir a soberania sobre a sua Zona Económica Exclusiva, da qual é extraído o petróleo que se transformou na principal fonte de receitas.

No inicio de Julho de 2010, após a visita do presidente brasileiro Lula da Silva à capital da Guiné Equatorial, foi cogitada a possibilidade de fornecimento de navios de patrulha brasileiros para o país.
Chegou mesmo a ser referida a possibilidade de venda de corvetas do tipo Barroso, navios que no entanto são demasiado complexos para uma marinha que tem apenas 120 militares.

A Guiné Equatorial, vai ter que aumentar a sua capacidade para controlar as suas águas, pelo que é previsível que venha a aumentar o numero de efectivos destinados à sua pequena marinha, ainda mais que o país é co-signatário de acordos entre os países da região, destinados a promover a patrulha dos mares ricos em recursos petroliferos.
As corvetas estariam disponíveis por um preço de aproximadamente 30 milhões de dólares americanos cada uma.

A possibilidade de venda das corvetas Po-Hang começou a ser negociada pelo ditador Teodoro Obiang em meados de Agosto de 2010, durante uma visita que realizou à Coreia do Sul.
A pequena dimensão da marinha da Guiné Equatorial, a relativa escassez de recursos financeiros e a complexidade tecnológica dos sistemas de armas mais complexos, leva a concluir que aquele país africano deverá optar pela aquisição de corvetas em segunda mão, ou por navios de patrulha de menores dimensões.

Dos países do Golfo da Guiné, apenas a Nigéria tem navios de guerra com maior sofisticação. Países vizinhos da Guiné Equatorial, como o Gabão, dispõem de patrulhas com um deslocamento próximo das 400t.

A Guiné Equatorial, é um dos países observadores da CPLP, comunidade de países de língua portuguesa. O país, de língua castelhana e uma antiga colónia espanhola, solicitou a adesão à comunidade, mas tem sido contrariado especialmente por Portugal. A adesão continua em estudo, mas continuará a ser recusada, até que a Guiné Equatorial estabeleça o português como segunda língua oficial.
Também a questão dos direitos humanos se tem apresentado como um entrave para a adesão. O país é praticamente uma propriedade privada do ditador e da sua família, que explora o petroleo embolsando lucros astronómicos, enquanto que a repressão sobre a população é brutal e a pobreza endémica.
Para aderir à CPLP o país candidato deve ter o apoio de todos os oito países membros.


Últimas noticias sobre este tema

Patrulhas para o golfo da Guiné

Navios chineses chegam ao Atlântico Sul

Corvetas para a Guiné Equatorial

Fragatas FREMM para a Argélia (?)

Fragata FREMM para Marrocos confirmada

África do Sul recebe o seu primeiro submarino U-209

| Forças Armadas de Angola | Exército Brasileiro | Exército Português | Força Aérea Brasileira | Força Aérea Portuguesa | Marinha do Brasil | Marinha Portuguesa | Forças Armadas de Moçambique | Forças Armadas da Guiné-Bissau | Timor - Sociedade | Forças de defesa de Timor | Brasil | Moçambique | Portugal | Listagem de todas as notícias | Listar todos os navios | Listar todas as aeronaves | Listar armas ligeiras | Listar todos os veículos | Listar todos os mísseis | Listar sistemas de artilharia | Artigos de opinião | Médio Oriente | União Europeia | Europa fora a UE | América do Norte | América do Sul e Caribe | África | Índia e Asia Central | Ásia e Oceânia|
  ---