Portugal
Sociedade / Política

Proposta ao «Alcaide» da guerra das laranjas

por Paulo Mendonça
01.12.2011


O presidente do municipio alentejano de Olivença, Bernardino Píriz, de 29 anos de idade (o primeiro presidente da câmara oliventino ligado à extrema-direita espanhola) [1], anunciou recentemente que o seu governo vai apoiar uma gigantesca peça de teatro (com mais de 300 figurantes), em que se pretende fazer uma reconstituição histórica para retratar a guerra das laranjas, um incidente militar em que a Espanha invadiu Portugal com o apoio tácito da França. Da ocorrência, resultou a ocupação por parte da Espanha daquele município português.

Alega o jovem edil, que a representação de uma guerra, numa zona de fronteira e ainda mais quando retrata ocorrências traumáticas que deixaram feridas que nunca sararam entre a população da região, será um acontecimento turístico, e educativo.

Mas mais, afirma Bernardino Piris que « a reconstituição histórica da batalha, servirá para fortalecer os laços entre oliventinos e portugueses ».

Estando o senhor presidente da câmara municipal de Olivença tão convencido de que a reconstituição histórica de um acontecimento como a guerra das laranjas, serve para estreitar os laços entre povos, há uma sugestão que lhe deve ser feita.

Sugestão ao presidente do municipio oliventino

O areamilitar.net, sugere aos seus leitores, que enviem mensagens de e-mail, ou cartas ao senhor presidente da câmara, sugerindo que, guiado pelo espirito de união e estreitamento de laços entre os povos e entre pessoas, o senhor Bernardino Píriz, proponha junto da Alcaldia de Badajoz, cidade espanhola vizinha de Olivença, a reconstituição conjunta do episódio que ficou conhecido como MASSACRE DE BADAJOZ, ocorrido em 1936.

A reconstituição histórica do MASSACRE DE BADAJOZ, será seguramente mil vezes mais útil, e certamente trará um estreitamento de laços entre espanhóis e espanhóis e dará a conhecer um facto histórico tantas vezes esquecido, além de com a mais absoluta certeza, permitir aumentar a receita do turismo [2].

Desde já o areamilitar.net, se propõe promover o evento nas suas páginas, e solicitar a colaboração dos portugueses em tão festiva e cultural reconstrução histórica.

Se a reconstituição do massacre de Badajoz, tiver os efeitos positivos de união e entendimento que o senhor Píriz afirma terem estas coisas da reconstrução de batalhas e guerras, eu próprio humildemente me oferecerei para figurante na reconstituição histórica da guerra das laranjas.


[1] – Piris foi eleito pelo Partido Popular, um partido criado a partir da Alianza Popular, agremiação abertamente neo-franquista e fascista fundada pelo ministro franquista Fraga Iribarne. A Alianza Popular absorveu posteriormente sectores conservadores da UCD (União do Centro Democrático) e representa hoje a Espanha mais conservadora. O seu líder ascendeu ao poder em 2011.
Há novamente um galego (do PP) a mandar em Espanha.
Este texto é da autoria de Paulo Mendonça e foi publicado em 01.12.2011.


Últimos artigos de opinião sobre este tema

Álvaro Cunhal. Obrigado camarada

O voto de Portugal na ONU sobre a Palestina como membro observador

Proposta ao «Alcaide» da guerra das laranjas

Os portugueses que querem ser espanhóis…

Não nos podem prender a todos

Portugueses, esse povo de cobardes

É possível ser Traidor em Portugal ?

Saramago volta a profetizar o fim de Portugal independente

As opiniões expressas neste artigo reflectem posições e pontos de vista que não são necessariamente os do Areamilitar.net, podendo mesmo ser contrários. A exposição de todos os pontos de vista e opiniões sobre questões militares e de geopolitica ou geoestratégia, é defendida pelo Areamilitar.net, e este espaço é disponibilizado com esse objectivo. As opiniões serão escritas na língua portuguesa, bem assim como os comentários.
Direito de resposta:
É reconhecido o Direito de Resposta, nos termos da Lei, a qualquer entidade que o deseje utilizar, devendo para o efeito ser efectuado um contacto através da caixa de contactos na página principal. Devem ser indicadas as razões pela qual o requerente solicita o uso desse direito, devendo de seguida ser enviado o texto correspondente.