União Europeia
Sociedade / Política

Um Projecto conjunto de Porta-Aviões

por Rui Manuel Elias
12.10.2004


O porta-aviões anglo-francês

A propósito do projecto de construção conjunta de um porta-aviões entre a França e a Inglaterra, com propulsão convencional, tenho uma opinião um pouco céptica, já que é um projecto longo no tempo e que exige muita cooperação entre os estados nas definições técnicas que agradem a ambos, para além dos elevados custos associados.

Para que no fim haja apenas um ou dois modelos, e eventualmente projectos para exportação, o que me parece de difícil exequibilidade, já que poucos são os países no mundo com capacidade para adquirir navios deste tipo.

Um porta-aviões avulso tem uma economia de escala que não se compara com os custos proporcionalmente mais baixos dos porta-aviões da Classe Nimitz dos EUA, já que que estes têm vindo a ser construídos práticamente em série, beneficiando os EUA de um projecto que práticamente já entrou em linha de montagem.

Julgo que uma verdadeira Defesa Europeia sem a Inglaterra não faz sentido, e não foi por o Presidente Chirac o dizer.

E que hajam acordos de cooperação militar entre os estados parece-me saudável.

No entanto a posição da Inglaterra em relação à integração europeia sempre foi dúbia, e até agora Blair foi o mais europeísta dos governantes britânicos.

Mas chegará a vez dele sair do governo, correndo-se o risco de para o lugar dele ir um "euro-céptico" que não concorde em alinhar o seu país com grandes projectos militares conjuntos com outros países europeus, preferindo aprofundar a aliança estratégica com os EUA.

Claro que da parte da Casa Branca também as suas atitudes em relação à construção europeia pode mudar e os EUA passarem a estar mais próximos da Europa (ou menos distantes) e da sua integração, como no tempo de Bill Clinton.

Mas com a rapidez com que se assiste a mudanças nas correlações entre os estados, e com uma aproximação gradual da Rússia ao chamado eixo-franco-alemão, a que agora se acrescentou a Espanha, e porventura a Polónia que parece ter feito um flic-flac na sua orientação política internacional, pode mudar os dados do jogo.

A "bola" passa, nesse caso, para o lado de Londres e da sua vontade ou não em se empenhar sem estados de alma, num projecto exequível da constituição de uma verdadeira política de defesa comum.

Este texto é da autoria de Rui Manuel Elias e foi publicado em 12.10.2004.


Últimos artigos de opinião sobre este tema

Gibraltar, Gibraltar

Espanha: O Rei vai nú !

Nós, eles e a guerra a sério

Portugal, França e África

Um Projecto conjunto de Porta-Aviões

As opiniões expressas neste artigo reflectem posições e pontos de vista que não são necessariamente os do Areamilitar.net, podendo mesmo ser contrários. A exposição de todos os pontos de vista e opiniões sobre questões militares e de geopolitica ou geoestratégia, é defendida pelo Areamilitar.net, e este espaço é disponibilizado com esse objectivo. As opiniões serão escritas na língua portuguesa, bem assim como os comentários.
Direito de resposta:
É reconhecido o Direito de Resposta, nos termos da Lei, a qualquer entidade que o deseje utilizar, devendo para o efeito ser efectuado um contacto através da caixa de contactos na página principal. Devem ser indicadas as razões pela qual o requerente solicita o uso desse direito, devendo de seguida ser enviado o texto correspondente.