Portugal
Sociedade / Política

Exercícios Militares e a classe política

por Rui Manuel Elias
16.11.2004


FORÇAS ARMADAS REALIZAM EXERCÍCIO NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

As Forças Armadas realizam no Arquipélago da Madeira, no período de 12 a 22 de Novembro, o exercício “Zarco/Lusíada 042”, envolvendo efectivos e meios da Marinha, Exército e Força Aérea.

Planeado e conduzido pelo Comando Operacional da Madeira, o exercício envolve cerca de 1.300 militares, cinco navios, uma centena de viaturas tácticas e seis aeronaves, reunindo unidades normalmente sedeadas na Região Autónoma e a Força de Reacção Imediata (FRI) constituída no Continente.
A finalidade do “Zarco/Lusíada 042” é proporcionar treino operacional no âmbito do planeamento, da preparação e da execução de uma “Operação de Evacuação de Não Combatentes” e, simultaneamente, testar a estrutura de comando, controlo e comunicações e sistemas de informação numa operação conjunta.
No dia 15 de Novembro, Sua Excelência o Presidente da República e Comandante Supremo das Forças Armadas, Dr. Jorge Sampaio, assistirá a uma das fases do exercício. 05NOV04
Última hora: Sua Excelência o Presidente da República foi obrigado a cancelar a deslocação à zona do exercício por motivos de saúde.

In site do EMGFA
O parente pobre?
As Forças Armadas Portuguesas começam a estar habituadas a realizar grandes exercícios militares caros e que mobilizam grandes meios militares, humanos e materiais.

No caso concreto deste exercício, a sua natureza e objectivos revelam-se de especial importância e utilidade dadas as tradicionais tensões em diversos países, onde Portugal tem seus nacionais, e que por vezes vivem momentos de alguma instabilidade politica e militar.

Estes exercícios decorreram até ontem no Porto Santo, e foi possível mobilizar tantas viaturas tácticas, meios navais e aéreos porque se tratou exactamente disso:

Um exercício para ajudar a articular bem as forças dos três ramos envolvidos.

Claro que se se tratasse de uma situação real ocorrida em qualquer ponto da costa africana, e dada a urgência em se proceder à evacuação de nacionais, Portugal, por si só, não teria capacidade autónoma para transportar para esse cenário helicópteros PUMA ou os vindouros EH-101, nem sequer viaturas tácticas para actuar no terreno.

Até porque para fazer circular em ruas ou avenidas num ambiente hostil as nossas viaturas, haveria que assegurar a segurança de certos corredores dentro da cidade, entre o ponto de partida da evacuação e o Porto ou Aeroporto, e para isso, seria necessário mobilizar mais meios terrestres, e até aéreos para melhor cobertura da operação.

Mas foi um exercício, que valeu o que valeu, e que mobilizou meios e vontades dos três ramos das nossas FA’s.

Politicamente foi pena que por alegados motivos de saúde o Comandante Supremos das FA’s e Presidente da República de Portugal não se pudesse ter deslocado ao Porto Santo, território nacional, por consequência de uma viagem oficial ao estrangeiro, e que da parte do MDN, este se tivesse feito representar pelo Secretário de Estado da Defesa.

Recentemenete uma atitude semelhante ditou a demissão do então CEMGFA.

As Forças Armadas Portuguesas continuarão a ser mal amadas pelo poder político, mau grado o esforço que está a ser feito para as dignificar através da aquisição de novos e imprescindíveis equipamentos?

Continuarão a ser apenas “visitadas” pelo poder político por ocasião de dias de homenagem, comemorações ou efemérides?

Julgo que a melhor forma de dignificar as FA’s portuguesas seria um maior respeito por parte do poder político, e se esse passa também pela presença em actos simbólicos, passa sobretudo por actos de encorajamento perante as chefias militares, dado o esforço e dedicação com que homens e mulheres mobilizaram os seus esforços para dar aos portugueses uma melhor imagem da Instituição, que todos devemos amar e respeitar.

Lamentável a displicência com que algum poder político, à direita e à esquerda continua a olhar para essa Instituição.

Este texto é da autoria de Rui Manuel Elias e foi publicado em 16.11.2004.


Últimos artigos de opinião sobre este tema

Álvaro Cunhal. Obrigado camarada

O voto de Portugal na ONU sobre a Palestina como membro observador

Proposta ao «Alcaide» da guerra das laranjas

Os portugueses que querem ser espanhóis…

Não nos podem prender a todos

Portugueses, esse povo de cobardes

É possível ser Traidor em Portugal ?

Saramago volta a profetizar o fim de Portugal independente

As opiniões expressas neste artigo reflectem posições e pontos de vista que não são necessariamente os do Areamilitar.net, podendo mesmo ser contrários. A exposição de todos os pontos de vista e opiniões sobre questões militares e de geopolitica ou geoestratégia, é defendida pelo Areamilitar.net, e este espaço é disponibilizado com esse objectivo. As opiniões serão escritas na língua portuguesa, bem assim como os comentários.
Direito de resposta:
É reconhecido o Direito de Resposta, nos termos da Lei, a qualquer entidade que o deseje utilizar, devendo para o efeito ser efectuado um contacto através da caixa de contactos na página principal. Devem ser indicadas as razões pela qual o requerente solicita o uso desse direito, devendo de seguida ser enviado o texto correspondente.