Guiné Bissau
Exército

As Forças Armadas da Guiné-Bissau não apoiam qualquer candidato.

por Paulo Mendonça
15.05.2005


Após a decisão do polémico ex-presidente da Guiné-Bissau Koumba Yalá, de se auto proclamar Presidente da República, mais uma vez, se aguarda que as Forças Armadas daquele país tomem uma posição sobre a mais recente mudança de humor do político guineense.

"O meu mandato não terminou e tenciono cumpri-lo até ao fim", afirmou na sua residência situada no bairro militar em Bissau, onde defronte se encontrava cerca de uma centena de apoiantes que escutaram a sua declaração através de altifalantes.

Fontes próximas das Forças Armadas, entretanto afirmaram que estas, não pretendem apoiar nenhum candidato, mas nada referiram sobre a posição que será tomada perante a declaração de Koumba Yalá.

Koumba, foi deposto por um golpe de estado, em 2002, depois da as suas polémicas decisões terem levado à concentração de todos os poderes nas mãos do Presidente da República. O presidente, tinha dado um golpe de estado, sufocando os restantes poderes, entre os quais, o parlamento e o poder judicial. A acção das Forças Armadas da Guiné-Bissau, foi no sentido de permitir a reimplantação um Estado de Direito, onde tinha deixado de haver um, porque o presidente eleito, tinha ultrapassado claramente as suas competências constitucionais.

Agora Koumba Yalá, vem dizer que se demitiu sob coacção, mas esquece que as razões que levaram as Forças Armadas a agir, podem ser consideradas legítimas.

Mais uma vez, na Guiné, parece ficar adiada a democracia, e a normalidade democrática.

Quase que se pode perguntar, se alguma vez, essa normalidade chegará.

Mais uma vez, também, por causa da irresponsabilidade de alguns dirigentes, a segurança dos cidadãos, pode estar em risco, tendo por isso, sido tomadas algumas precauções por parte da marinha portuguesa, para agir, no caso de ocorrer algum desenvolvimento violento, que implique a necessidade de evacuar civis.


Este texto é da autoria de Paulo Mendonça e foi publicado em 15.05.2005.


Últimos artigos de opinião sobre este tema

As Forças Armadas da Guiné-Bissau não apoiam qualquer candidato.

As opiniões expressas neste artigo reflectem posições e pontos de vista que não são necessariamente os do Areamilitar.net, podendo mesmo ser contrários. A exposição de todos os pontos de vista e opiniões sobre questões militares e de geopolitica ou geoestratégia, é defendida pelo Areamilitar.net, e este espaço é disponibilizado com esse objectivo. As opiniões serão escritas na língua portuguesa, bem assim como os comentários.
Direito de resposta:
É reconhecido o Direito de Resposta, nos termos da Lei, a qualquer entidade que o deseje utilizar, devendo para o efeito ser efectuado um contacto através da caixa de contactos na página principal. Devem ser indicadas as razões pela qual o requerente solicita o uso desse direito, devendo de seguida ser enviado o texto correspondente.