Portugal
Sociedade / Política

A GNR em Timor e as relações entre Portugal e a Austrália

por Rui Manuel Elias
09.06.2006


A GNR em Timor, Portugal e as forças militares da Austrália, Nova Zelândia e Malásia
Ao contrário das forças militares destes países que acudiram ao terreno supostamente para repor a ordem pública, a pedido das autoridades de Timor, a GNR foi igualmente convidada junto do Governo português para seguir para Díli, para numa primeira fase ajudar na manutenção da ordem pública (já que se trata de uma forma policial e não militar) e também para dar formação à polícia timorense, ou ao que restar desta após o fim que se espera breve deste reacender do conflito.

Portugal envia então a GNR, não no âmbito de uma força multinacional, mas sim no âmbito de um acordo de cooperação bilateral entre Lisboa e Díli.

Os Australianos viram desde cedo com maus olhos esta situação de terem uma força estrangeira no terreno que não fique sob o seu comando.

Por isso teriam enviado na passada semana uma delegação a Portugal a solicitar a integração da companhia da GNR no comando único australiano, o que Lisboa recusou.

O que está acordado, é que a força da GNR responde perante as autoridades timorenses (Presidente e Primeiro Ministro) e em última análise, ao embaixador português em Díli.

O que se passou ontem foi um sinal de que a Austrália, perante o vazio político em Timor e com a força das armas ao seu lado quer de facto ditar as regras.

Portugal e a comunidade internacional, enquanto esta reconhecer como legítimo o poder político das autoridades timorenses, sendo este estado e as suas instituições reconhecidas internacionalmente, não tem que sujeitar as suas forças a um comando internacional, a menos que um mandato da ONU mude as regras do jogo.

Por isso e à luz do Direito, as forças australianas no terreno não têm que reconhecer ou deixar de reconhecer as competências da GNR na patrulha e manutenção da ordem pública nas ruas de Díli e arredores.

Portugal respondeu com um companhia da GNR, que foi o que foi pedido por Dili.

Mas se tivesse atempadamente negociado com Díli a presença simultânea de uma força militar destacada, apoiada por um meios navais, poderia ter mais argumentos políticos para discutir de igual para igual.

Não o fez, e fez mal.

Portugal tem meios limitados e Timor fica nos antípodas de Portugal.

No entanto uma posição de cócoras perante a evidente apetência australiana para tornar Timor num protectorado e estado satélite é má para os interesses portugueses na zona e até indonésios.

Naturalmente que Portugal não pode aparecer junto dos timorense de braço dado com a Indonésia, porque o tempo decorrido anda não permite essa aparição.

No entanto o problema parece radicar na dissolução do efectivo poder político que no terreno não encontra resposta, por parte das autoridades legítimas de Timor.

Xanana, o Presidente parece estar em rota de aproximação à Austrália, e Mari Alkatiri, recentemente reeleito líder da FRETILIN pode muito bem voltar a vencer as eleições previstas para 2007, e isto se elas não forem antecipadas.

O poder legítimo e reconhecido internacionalmente é o do Primeiro-Ministro Alkatiri e do partido vencedor em eleições livres e justas (a FRETILIN), e o Presidente Xanana Gusmão.

Neste momento sem umas forças armadas e um polícia constituída e operacional o poder político em Timor não tem meios para fazer implementar no terreno as suas políticas.

Daí que as armas falem mais alto.

Os revoltosos, Salsinha e Alfredo Reinado não escondem a sua simpatia pela presença australiana e dizem-se dispostos a conversar com Xanana, mas nunca com Alkatiri.

Portugal, ou deixa Timor entregue a eles próprios e à Austrália ou deveria tomar uma decisão que neste momento se torna crucial.

Apesar das manifestações e demonstrações de força, como a da manifestação de 2ª feira, tem uma maioria silenciosa que votou esmagadoramente na FRETILIN.

Portugal deve apostar no Governo e em Alkatiri, sem hostilizar Xanana.

Xanana já não pode merecer mais a confiança política do Estado Português, já que o maior conselheiro político de Xanana parece ser a sua mulher, australiana, e que agora até aparece nas reuniões políticas das instituições, fala e participa, sem ter sido eleita.

É hora de Portugal escolher o seu caminho.

Para mim, Portugal se não quiser sair derrotado politicamente e sujeitar as suas forças no terreno a uma humilhação, como a que aconteceu ontem, terá que apostar em apoiar o governo legítimo de Timor, tem que enviar uma forma militar que defenda e apeie as presença da GNR no terreno e enviar uma força de operações especiais que possa neutralizar as forças de Reinado, e eventualmente detê-lo e entregá-lo às autoridades legítimas de Timor.

É assim que se fazem as coisas.

Ou então que abandone Timor à sua sorte, e se renda.
Este texto é da autoria de Rui Manuel Elias e foi publicado em 09.06.2006.


Últimos artigos de opinião sobre este tema

Álvaro Cunhal. Obrigado camarada

O voto de Portugal na ONU sobre a Palestina como membro observador

Proposta ao «Alcaide» da guerra das laranjas

Os portugueses que querem ser espanhóis…

Não nos podem prender a todos

Portugueses, esse povo de cobardes

É possível ser Traidor em Portugal ?

Saramago volta a profetizar o fim de Portugal independente

As opiniões expressas neste artigo reflectem posições e pontos de vista que não são necessariamente os do Areamilitar.net, podendo mesmo ser contrários. A exposição de todos os pontos de vista e opiniões sobre questões militares e de geopolitica ou geoestratégia, é defendida pelo Areamilitar.net, e este espaço é disponibilizado com esse objectivo. As opiniões serão escritas na língua portuguesa, bem assim como os comentários.
Direito de resposta:
É reconhecido o Direito de Resposta, nos termos da Lei, a qualquer entidade que o deseje utilizar, devendo para o efeito ser efectuado um contacto através da caixa de contactos na página principal. Devem ser indicadas as razões pela qual o requerente solicita o uso desse direito, devendo de seguida ser enviado o texto correspondente.