Brasil
Marinha

A opção brasileira pelo submarino U-214

por Paulo Mendonça
30.11.2006


Os planos anunciados sobre a futura aquisição de novos submarinos para a Marinha do Brasil, além de futuramente darem à marinha brasileira acesso a novas tecnologias sobre o domínio de ligas metálicas mais modernas, incluíram também o fornecimento de um novo submarino, no caso o modelo U-214, desenhado na Alemanha, a partir da experiência tida com o U-209 (dos quais o Brasil já tem cinco unidades) com o submarino U-212, construído para a Alemanha e Itália.

A principal característica do submarino U-214,relativamente aos seus antecessores, é o sistema AIP, (Air Independent Propulsion) que permite ao submarino mover-se submerso durante pelo menos duas semanas sem ter necessidade de ligar os seus motores a Diesel para alimentar as suas baterias eléctricas.

Os submarinos Diesel-Electricos convencionais, devem emergir a períodos regulares, nunca superiores a três, no máximo quatro dias, para recarregar baterias e permitir continuar a viagem. Ao não utilizar os motores a Diesel (que produzem ruído) o submarinos equipados com AIP, tornam-se muito mais silenciosos, o que permite desta forma torna-los numa arma muito mais letal.

No entanto, pouco depois de ter sido conhecida a intenção de compra, foi também revelado que a Marinha do Brasil, não tinha intenção de adquirir aqueles submarinos com o sistema AIP, que é uma das mais importantes características daquela arma.

A opção por excluir o AIP não é absolutamente «virgem». A marinha de Israel, por exemplo, tem três submarinos da classe Dolphin, que são muito parecidos aos U-212 alemães, mas que não têm sistema AIP.

O curioso de analisar nas explicações dadas pela marinha brasileira, são os argumentos utilizados para justificar a não opção por aquele sistema.

A Marinha do Brasil, afirmou que considerava que os custos operacionais do U-214, seriam demasiado elevados, e que por isso a opção tinha sido por um submarino sem AIP.
Os tanques de hidrogénio do U-214

A argumentação, que sendo verdadeira (a operação do AIP, implica de facto mais estruturas e capacidade para reabastecer o navio com Hidrogénio, por exemplo) é no entanto estranha, quando se sabe que a marinha brasileira tem planos para o desenvolvimento e construção de um submarino movido a energia nuclear.
Acontece que por muito barata que fosse a operação de um submarino nuclear pelo Brasil, tal operação seria sempre inimaginavelmente mais cara que a operação de um sistema AIP de células de combustível.

A marinha brasileira, considerou como um factor de complexidade, a necessidade de dispor de oito camiões tanque, cheios de oxigénio e hidrogénio com um grande grau de pureza, que além do mais seria difícil de produzir, sendo também complicado o seu transporte.

Porém, a marinha brasileira não parece ter tido grande problema ao optar por construir um submarino nuclear, movido pelo combustível mais perigoso do mundo, tão perigoso que na maioria dos países é proibida a sua simples entrada em porto, por causa dos perigos inerentes.
Não parece que seja mais complicado, ou perigoso o transporte de Hidrogénio, que o transporte de Plutonio, pese naturalmente o facto de o combustível nuclear só ser reposto num intervalo de anos, o que não acontece com o Hidrogénio e o Oxigénio do sistema AIP de células de combustível.

Outro argumento utilizado pela marinha brasileira, foi o dos custos de navegação, dado o custo da milha navegada com o sistema AIP ser sete vezes mais caro que com o sistema convencional de Diesel.

No entanto, a comparação não faz exactamente sentido, porque o submarino U-214, tem a possibilidade (se essa for a opção táctica no momento) de operar exactamente como se fosse um submarino convencional, abrindo mão da utilização do sistema AIP, que só se utiliza quando as circunstâncias tácticas tornam necessária a sua utilização.

O sistema AIP não é como a energia nuclear, que se utiliza permanentemente. O U-214, também tem motores a Diesel, como outros submarinos da marinha brasileira, e o AIP só se utiliza quando o comandante decide passar a modo silencioso. O submarino pode ser utilizado em modo económico durante a maior parte da sua vida, utilizando o AIP, quando a segurança do submarino pode ser colocada em risco por um potencial inimigo. Neste caso, o AIP não é apenas um novo sistema de propulsão, ele é também uma arma de defesa passiva, e novas armas têm naturalmente os seus custos. Abrir mão delas, em nome da poupança pode ser negativo.

Dúvidas
As explicações dadas pela marinha brasileira para a não opção pelo sistema AIP, se bem que perfeitamente correctas e aceitáveis, podem no entanto ter outras razões, explicações e justificações.

Desde há décadas, que a marinha brasileira persegue o objectivo de construir um submarino movido a energia nuclear. Esse objectivo inicialmente visto como uma opção interessante e necessária, transformou-se com o tempo em símbolo de «status» e de capacidade tecnológica, mas cada vez menos uma vantagem táctica que pode ser aplicada em termos militares.

O projecto de submarino, tem sido difícil de manter e justificar, pois a posse de submarinos nucleares ou mesmo armas nucleares tem cada vez menos adeptos.

Segundo várias fontes, algumas delas citadas pela própria imprensa brasileira, o submarino U-214 com AIP, pelas suas características, terá provavelmente um único significado para a Marinha do Brasil.
O AIP matará definitivamente o projecto do submarino nuclear brasileiro, porque a utilização táctica do submarino nuclear (Um submarino nuclear custará de 2,5 a 4 vezes um submarino convencional) nas águas brasileiras é cada vez menos lógica em face dos custos de cada submarino nuclear e do gigantismo das águas territoriais e da ZEE brasileira, onde a arma submarina só será eficaz se houver um numero mínimo de submarinos disponíveis.

A ideia de que o Brasil pode produzir muitos submarinos nucleares a preços mais baratos, é uma ideia errada.
Um técnico especializado, tem sempre um salário alto, e mesmo que no Brasil ele ganhe um pouco menos ele será sempre um custo considerável. O caso mais demonstrativo desta realidade encontra-se na construtora de aeronaves Embraer, que produz aeronaves de transporte, mas que tem que se bater muitas vezes em condições difíceis com um concorrente do Canadá, que teoricamente tem custos muito inferiores, mas que mesmo assim consegue muitas vezes bater os preços da Embraer.

A grande autonomia dos submarinos nucleares, especialmente apreciada pelas vantagens tácticas que permite, acaba também sendo um factor menos considerável, quando se sabe que os submarinos AIP como o U-214 para a Coreia do Sul, poderão submergir durante até 40 dias.

O U-214 é um submarino desenhado para o oceano profundo (ao contrário do seu meio irmão U-212 que tem um casco menos resistente, mas amagnetico ) e para as funções defensivas que a marinha do Brasil considera ser a sua função principal, um submarino como o U-214 poderá cumprir a missão, com a vantagem de ter custos de operação muito inferiores aos de um submarino nuclear.


Ecologia e imagem internacional
Existem desvantagens que o submarino nuclear brasileiro trás para o país, e que tem que ver com a imagem internacional da energia nuclear adaptada às industrias militares, que está cada vez mais associada a regimes semi-ditatorias ou a ditaduras férreas, como o Paquistão ou a Coréia do Norte.

O HMS Tireless da marinha britânica. O Reino Unido tem uma tradição de décadas no fabrico de submarinos, mas nunca conseguiu que esta classe ficasse livre de problemas. O navio é mais um causador de problemas que um efectivo meio de combate


Os problemas com o controle da Amazônia, e as referências internacionais ao problema ou problemas da Amazônia, podem ser muito mais combatidos com o apoio e desenvolvimento brasileiro de energias alternativas e amigas do ambiente.
O Brasil é cada vez mais conhecido como um país que se preocupa mais com as questões ambientais, que promove e apóia as energias alternativas, e neste capítulo, o desenvolvimento no Brasil de uma industria para apoiar a frota de submarinos, acabaria trazendo para o Brasil o mais recente em matéria de células de combustível seria vital e da maior importância.

Este tipo de iniciativas, terá sempre muito mais impacte na opinião pública internacional, mostrando que não existem razões para qualquer gestão internacional da Amazônia, quando o governo e as autoridades brasileiras são as primeiras a promover as energias alternativas, renováveis, não poluentes.

A opção pelo U-214 sem AIP, poderá ter acontecido, porque ainda não houve a coragem suficiente, para decidir o que fazer ao projeto do submarino nuclear brasileiro.

No futuro, havendo essa possibilidade, o U-214 poderá ser reconvertido para a utilização do sistema AIP, que tem que reconhecer-se, ainda tem que desenvolver etapas para se tornar mais eficiente que o que é presentemente.

Paulo Mendonça + Luis Carlos Gomes

Este texto é da autoria de Paulo Mendonça e foi publicado em 30.11.2006.


Últimos artigos de opinião sobre este tema

Submarino nuclear brasileiro. Porquê o Scorpene ?

A opção brasileira pelo submarino U-214

Porta-aviões São Paulo: Mudança no conceito estratégico de defesa ?

As opiniões expressas neste artigo reflectem posições e pontos de vista que não são necessariamente os do Areamilitar.net, podendo mesmo ser contrários. A exposição de todos os pontos de vista e opiniões sobre questões militares e de geopolitica ou geoestratégia, é defendida pelo Areamilitar.net, e este espaço é disponibilizado com esse objectivo. As opiniões serão escritas na língua portuguesa, bem assim como os comentários.
Direito de resposta:
É reconhecido o Direito de Resposta, nos termos da Lei, a qualquer entidade que o deseje utilizar, devendo para o efeito ser efectuado um contacto através da caixa de contactos na página principal. Devem ser indicadas as razões pela qual o requerente solicita o uso desse direito, devendo de seguida ser enviado o texto correspondente.